Como cuidar de um gato com câncer

O câncer é um mal que pode atingir diferentes partes do corpo do gato e, dependendo da região afetada, pode tornar mais difícil a missão de cuidar do bichinho. 

Às vezes, um tumor mais agressivo pode levar embora rapidamente a disposição, bom humor e sono de qualidade dos felinos. Já os casos de neoplasia de intestino delgado e neoplasia esofágica, por exemplo, tornam mais complicada a tarefa de alimentar os pets.

Gato-cancer-Petlove

Encontrar a melhor forma de ajudar o pet nesses momentos realmente não é fácil, por isso, é importante pedir ajuda a quem tem conhecimento de causa, estudou bastante sobre o assunto e está acostumado a cuidar de outros gatos que estão nesta condição: o médico veterinário oncologista.

É ele o profissional mais indicado para recomendar o melhor tratamento e as iniciativas que farão diferença na qualidade de vida do bichano. Portanto, não deixe de procurá-lo caso o seu gato tenha sido diagnosticado com qualquer tipo de câncer.

Como comentamos no post sobre cuidados com cachorro com câncer, é fundamental seguir à risca as recomendações feitas pelo médico veterinário oncologista para que os resultados esperados na saúde do peludinho possam aparecer. E, claro, dá pra cuidar do bichano em casa de uma forma toda especial!

“Receita caseira”

Errou rude quem achou que a gente iria recomendar algo mirabolante – e estranho – que promete cura rápida. As receitas caseiras, além de não oferecerem curas milagrosas, podem ter efeito contrário e comprometerem a saúde (já fragilizada) do seu gato. Afaste-se delas!

A gente traz, na verdade, dicas caseiras de como você pode contribuir para o bem-estar do seu felino. Um ótimo começo é ficar atento às necessidades e ao comportamento dele durante a maior parte do tempo possível. Que tal dividir as tarefas com a família, de modo que sempre tenha alguém observando e ajudando o pet no que ele precisar?

Miados e demonstrações excessivas de medo (como fugir e procurar abrigo) podem ser indícios de dor, assim como dificuldade em andar, agressividade, respiração ofegante e desconforto ao deitar. Xixi fora da caixinha de areia e fezes com coloração, textura ou odor diferentes do habitual merecem atenção e precisam ser reportados ao médico.  

Como os gatos são mais chegados aos momentos de privacidade, capriche na caminha dele, dê um brinquedo diferente, facilite o acesso àquela prateleira favorita e não permita situações que podem estressar o bichinho como, por exemplo, visita de outros pets, mudanças de móveis, barulhos excessivos etc.

Aumente as doses de brincadeiras e interações (respeitando a vontade e saúde do gato) e mantenha intervalos curtos entre as visitas médicas, levando anotado tudo aquilo que vale ser compartilhado com o doutor(a). Não deixar faltar atenção e amor dentro de casa, seguindo todas orientações médicas, é o melhor que você, como pai ou mãe de gato, pode fazer para contribuir com o bem-estar do seu filho de quatro patas.

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.