O que costuma acontecer quando gatos de uma casa não se dão bem

Tem gente arrancando os cabelos agora que está passando mais tempo em casa e presenciando as brigas frequentes entre os seus gatinhos. E se você é uma dessas pessoas, é bom saber quais são os riscos que os conflitos podem trazer e como harmonizar a relação dos brigões para resgatar a paz em casa (e deixar suas madeixas no lugar).

Como sempre, o instinto animal ajuda a explicar muita coisa sobre o seu comportamento. Na natureza, por exemplo, os gatos não são muitos fãs de uma vida coletiva e abrem exceção para uma aglomeração quando estão compartilhando alguma refeição farta que foi encontrada. E é geralmente nessas momentos de encher a barriga que eles acabam se aproximando de alguns felinos, da mesma maneira que podem passar a evitar outros – questão de afinidade. 

Gato-brigando-Petlove

Trazendo para a realidade da vida domiciliada, é você que acaba escolhendo quem será o parceiro(a) do seu filho de quatro patas (a não ser que sejam irmãos de ninhada) sem nenhuma consulta prévia. E, infelizmente, pode acontecer de rolar uma animosidade entre os dois, principalmente se a socialização não for feita corretamente. Leia esse nosso post para saber como apresentar um novo felino.

A inimizade entre os pets quando é algo visível gera desconforto, deixa um clima ruim, mas é mais fácil controlar a situação para que ela não fuja do controle. Rosnados, perseguições e brigas podem ser contornados desviando a atenção dos bichinhos ou os deixando em ambientes separados. O problema mesmo é quando entre os gatos ocorre uma “guerra fria” e você nem se dá conta que o bicho tá pegando por debaixo dos panos.

Sabe aquela figura do cara mala da escola que escolhe um bode expiatório e encrenca com tudo o que ele faz, mas nunca é pego pela professora? Pois é, um dos seus peludinhos pode estar agindo dessa mesma maneira com o parceiro de espécie. Como? O felino pode intimidar o outro com encaradas, bloquear seu acesso a locais ou objetos, privar de interações com outras pessoas e até impedi-lo de descansar ou de usar a caixa de areia.

Essa “marcação cerrada” é muito prejudicial à vítima, que pode passar a ficar mais estressada, ansiosa, apresentar comportamentos repetitivos (ex. lamber as patas sem parar) e até ficar anorexia, dependendo da intensidade dessa perseguição. Por isso, é muito importante que você sempre observe como anda a relação dos gatinhos em casa para garantir que, mesmo que não morram de amores uns pelos outros, ninguém está com o seu bem-estar comprometido.

Como prevenir

Para evitar que esse tipo de situação aconteça, permita que cada bichinho consiga ter sua privacidade dentro de casa. Aumente a oferta de comedouros, caixinhas de areia, brinquedos e acessórios, de maneira que eles não tenham que brigar por cada um dos objetos. Procure aumentar o tempo das brincadeiras, cuidando para que sua atenção fique bem dividida e que os gatinhos percebam que a presença do outro resulta em momentos legais, nos quais não faltam carinhos e deliciosos petiscos.

O uso de feromônios também ajuda bastante a criar um clima de paz e deixar os peludinhos mais relaxados. Lembre-se que Feliway Classic Ceva, por exemplo, não é usado em clínicas veterinárias por acaso, e que seu uso não tem nenhuma contra-indicação aos animais. Veja aqui outros produtos que ajudam seus pets a ficaram mais calmos.

Claro que se as medidas preventivas não derem resultado, não dá pra aceitar a derrota e só rezar para que os bichinhos se entendam sozinhos. Para todo problema de comportamento há uma solução e, principalmente nesse caso, a ajuda de um médico veterinário especializado em comportamento animal é de suma importância para que você saiba exatamente o que fazer para que os peludinhos deixem as encrencas de lado e a harmonia volte a tomar conta da casa. Afinal, um lar com pet precisa ser sempre sinônimo de muita felicidade!

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.