Entenda quais tipos de procedimentos veterinários podem ser feitos na sua casa

Sair de casa para levar o pet a uma consulta veterinária geralmente não é tarefa das mais fáceis. Pelo contrário, pode representar um compromisso repleto de contratempos, arranhões e até de perigos para o animal.

Aquela rotina de entrar em contato com a clínica, agendar o melhor horário, preparar a caixa de transporte, ajeitar o bichinho no carro e ainda ter que lidar com a espera para ser atendido é para alguns um trabalho danado e para outros uma amargura sem fim. E olha que nessa conta nem estamos considerando os riscos da pandemia.

Atendimento-domicilio-Petlove

Felizmente, é possível oferecer atendimento médico veterinário ao seu bichinho no ambiente que ele mais se sente seguro e de quebra ainda evitar os transtornos que um deslocamento possa representar. Quem tem cão e, principalmente, um gato em casa sabe bem: nenhuma saída é uma simples saidinha.

A Petlove acredita que num futuro próximo, a maioria dos pais e mães de pets vai querer simplificar o atendimento médico aos seus bichinhos, como quem solicita hoje algum produto para ser entregue em casa. E por crer tanto nesta iniciativa e nos benefícios que ela proporciona, é que recentemente lançamos o Serviço Veterinário em Domicílio Petlove – inicialmente oferecido aos clientes que moram na capital de São Paulo.

Atendimento além do básico

Muitas pessoas podem cometer o erro de acreditar que o atendimento em domicílio é indicado apenas para fazer uma análise mais superficial ou para aplicação de vacinas. Porém, o serviço vai além e é capaz de atender inúmeras necessidades, da mais básicas até alguns atendimentos mais urgentes.

Quem elenca os tipos de atendimentos que podem ser realizados no conforto da sua casa é o Dr. Guilherme Miranda,  Coordenador Técnico de Serviços Veterinários da Petlove. 

  • Consulta pediátrica 
  • Atendimento odontológico – para uma avaliação periodontal
  • Aplicação de medicação e vacina
  • Corte de unha
  • Fluidoterapia subcutânea (pacientes que precisam de soro, por exemplo)
  • Curativos – ataduras e imobilização
  • Coleta de exames
  • Administração de medicamento via oral

Miranda conta que esses são só alguns exemplos e ressalta que nos casos considerados emergências não há outra alternativa a não ser levar o bichinho a uma clínica ou hospital que contem com aparelhagem médica suficiente para atender animais em estado grave de saúde.

É sempre bom lembrar que há diferença no atendimento emergencial e urgente. No primeiro, o animal corre iminente risco de morte, já no segundo ele precisa de cuidados médicos rápido, porém com o devido tratamento pode recuperar sua saúde. “Por exemplo, uma hemorragia (interna ou não) ou trauma craniano, que levou o animal a ter perda de consciência, é considerado um caso emergencial. Já luxação de patela, diarreia, casos de desidratação ou quadros que deixem o animal prostrado são considerados urgentes e podem receber uma primeira avaliação em casa”, explica Miranda.

O doutor também contou algumas das vantagens que enxerga no atendimento domiciliar. “O médico veterinário estará disponível só pra cuidar do seu pet, então não vai correr o risco de você levar o animal numa clínica, chegar uma emergência e você ter que ficar na fila esperando. Sem falar que o bichinho estará no ambiente dele, que não tem o odor de animais desconhecidos e nem barulhos estranhos que causam estresse”, concluiu Miranda.

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

1 Comentário

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.