Otite canina: saiba mais sobre essa doença

O nome famoso da doença pode causar a falsa sensação que sabemos muito sobre a otite canina. Mas, será mesmo? Você, por exemplo, sabia que existem três tipos de otite e que alguns cachorros são mais suscetíveis a problemas no ouvido do que outros? Se a sua resposta for não, melhor acompanhar esse nosso post e aprender como proteger a saúde do seu pet.

Os três tipos de otite

A doença é caracterizada por infecções e/ou inflamações do conduto auditivo e como o ouvido é dividido em três partes (externo, médio e interno), a otite tem versões diferentes para diferenciar a região em que cada uma atua.

Otite externa: é a versão mais comum da doença, pois afeta a entrada do canal auditivo, que geralmente fica inflamada, sensível e deixa os cachorros bastante incomodados. De maneira geral, ela é causada por alergias ou outras doenças de pele (seborreia, fungos etc.), parasitas, doenças hormonais, entre outros.

Otite média: atinge o canal auditivo dos cachorros na região responsável por conduzir as vibrações sonoras. Causada principalmente por acúmulo de secreções, fungo e bactérias, a inflamação e/ ou infecção pode se espalhar pelo tímpano, martelo e bigorna, por exemplo. Quando não tratada corretamente, pode levar à otite externa.

Otite interna: trata-se da forma mais grave da doença, pois age na região mais profunda do conduto auditivo. Causada por doenças congênitas ou autoimunes, corpos estranhos, medicamentos, entre outros, ela conta com um risco maior, pois a falta de cuidados médicos pode fazer com que a otite coloque em risco a vida do cachorro, com abcessos em sistema nervoso, osteomielite e até meningite.

Cachorros que precisam de mais cuidado

Independentemente da raça, todos os cães precisam de atenção e cuidados preventivos, porém, os cachorros com orelhas grandes e caídas, como o Beagle, Cocker Spaniel, Golden Retriever, Shih Tzu, Poodle e o Basset Hound merecem um acompanhamento ainda mais rigoroso – já que podem ocorrer rompimentos de pequenos vasos da orelha, causados por traumatismos ou chacoalhamento de cabeça, resultando em otohematomas.

Prevenção e tratamento

Manter parasitas (fungos, bactérias, sarnas) longe do cachorro e também fazer a higiene correta das suas orelhas, evitando qualquer excesso de umidade, são medidas que você pode praticar no seu dia a dia. Mas, como a otite pode atingir regiões mais profundas do canal auditivo, a prevenção só fica completa com o acompanhamento médico veterinário periódico.

Não ignore qualquer vermelhidão no ouvido, sinais de surdez ou coceiras constantes, pois como você ficou sabendo, a falta de tratamento pode agravar a doença e comprometer seriamente a saúde e bem-estar do cachorro. Muito menos tente resolver o problema por conta, medicando o pet sem prescrição médica ou apelando para receitas caseiras. Definitivamente, essas não são boas ideias, deixe que o médico veterinário indique o melhor tratamento, que pode variar de uma simples medicação até procedimentos cirúrgicos, dependo da gravidade da doença.

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.