Panleucopenia felina

A Panleucopenia felina é uma doença viral e fatal que acomete os felinos. Também conhecida como Laringotraqueíte Contagiosa e Agranulocitose Infecciosa, é uma das doenças mais sérias para gatos domésticos e selvagens, com evolução rápida e devastadora que ainda causa morte de gatos no Brasil por falta de vacinação.

O nome Panleucopenia vem do principal achado laboratorial causado pelos vírus, uma queda intensa dos glóbulos brancos (leucopenia) que causa diminuição das defesas do organismo contra a própria doença.

O que causa a Panleucopenia felina

A Panleucopenia felina é causada por um vírus classificado como parvovirus felino que é resistente a maioria dos desinfetantes no ambiente e tem a capacidade de permanecer em restos orgânicos por até um ano de forma infectável.

Formas de contaminação da Panleucopenia felina

O vírus é eliminado em grande quantidade durante a fase ativa da doença e pode permanecer no ambiente por meses ou até anos, dependendo das condições físicas.

Gatos que sobrevivem à doença continuam a eliminar os vírus pelas fezes normais por até quatro ou cinco meses. A doença é mais prevalente em felinos jovens, com até 12 meses de idade, e não vacinados, visto que a vacina contra Panleucopenia protege com muita eficiência. Esses animais suscetíveis podem adquirir a doença através de fomites (comedouros, bebedouros, roupas, etc) ou por contágio direto com o vírus no ambiente.

Evolução da doença

Após a contaminação o vírus se multiplica nos linfonodos regionais cervicais (estruturas que fazem parte do sistema imunológico) do gato e ganha a circulação do felino – fenômeno chamado de viremia – a procura de células em alta multiplicação ou alta capacidade mitótica como células intestinais, tecido linfoide ou medula óssea.

Sintomas da Panleucopenia felina

O período de incubação após a infecção (contaminação) é de 5 a 7 dias, após isso o gato poderá apresentar febre, abatimento físico, falta de apetite, vômitos e diarreia, podendo conter sangue.

Diagnóstico da Panleucopenia felina

O diagnóstico é baseado nos achados de anamnese (história clínica) e no exame clínico durante a consulta e exames laboratoriais. Um dos principais achados é a queda de glóbulos brancos no hemograma.

Tratamento

O tratamento é baseado em medidas de suporte para manter o estado geral do animal, antibióticoterapia intensa e agressiva, sendo que a internação do gato é necessária na maioria dos casos.

Prevenção da Panleucopenia felina

A única prevenção é através da vacinação, amplamente aplicada em clínicas veterinárias, além de evitar contato com animais doentes ou com os sintomas citados acima.

 

Achou o post interessante? Então compartilha!

Sobre o autor

Dr. Marcio Waldman

Dr. Marcio Waldman

Medico veterinário, diretor e fundador do www.petlove.com.br. Formado em 1988 pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e pós graduado em latu sensu em odontologia veterinária, foi secretário geral da Anclivepa SP (associação nacional de clínicos veterinários de pequenos animais) e sócio fundador do Simpavet (sindicato patronal dos médicos veterinários). Atuou como clínico veterinário de pequenos animais de 1988 a 2005 em São Paulo, e em 2005 terminou a atividade na clinica para se dedicar exclusivamente ao Pet Love.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.