Três fatos para considerar antes de ter um cachorro gigante

Sempre que decidimos aumentar a família levando um cachorro para casa, precisamos considerar alguns pontos como o estilo de vida da família, quanto espaço temos disponível para um pet, se ele ficará sozinho ou não e quanto ele custa, além de outros pontos como temperamento e comportamento

Quando falamos de cachorros gigantes, é muito importante que os pais e mães conheçam a raça e saibam exatamente onde estão se metendo, afinal, ele não passará despercebido. Vamos discutir sobre três pontos importantes para se considerar antes de levar um cão gigante para casa.

Espaço disponível

O primeiro ponto é o espaço que seu pequeno gigante terá em casa. Não adianta se enganar, eles podem até ser pequenos e fofos quando filhotes, mas crescem rápido e ocupam bastante espaço. Portanto, certifique-se de que ele terá uma área suficiente para se sentir confortável em seu lar. Para quem mora em apartamentos, é legal pensar duas vezes antes de ter um cachorro gigante, mas se mesmo assim você optar por ter um grandão na família, serviços como “creches para cachorrossão ótimas opções para ele socializar e gastar energia.

Não se esqueça que os passeios devem ser regulares, eles adoram explorar a vizinhança, principalmente na companhia de seus pais humanos, mas caso precise, existem os serviços de  passeadores.

Custo de vida

Não é difícil imaginar que o custo de vida de um cachorro desse tamanho também é bem maior do que o de um cão de porte médio, por exemplo. As idas ao pet shop podem não ser tão frequentes, mas os banhos certamente serão mais caros, proporcionais ao seu tamanho. Podemos pensar assim também para alimentação. Vamos fazer um comparativo:

Porte do animal

Quantidade média diária de ração Super Premium  (em gramas), considerando atividade moderada

Cão de médio porte (24Kg) 

300

Cão de porte gigante (70Kg)

695

Se você gosta de viajar, esse também é um ponto crítico, afinal, muitos hotéis, mesmo os pet friendly, não aceitam cães de porte grande, além disso, a viagem em si deve ser estudada, pois como já sabemos, ele é um cachorro que ocupa um espaço considerável. Se mesmo assim não quiser deixar seu peludo de fora da viagem, certifique-se de que ela será segura e prazerosa para todos. Alguns acessórios como cinto de segurança, caixa de transporte e um kit higiene, com tapetes higiênicos, por exemplo, são indispensáveis.

Longevidade

Uma questão chata, mas necessária para se pensar é a longevidade dos grandões, que tende a ser menor, por isso é importante aproveitar todos os momentos ao lado do seu cachorro e garantir que ele tenha uma boa saúde. Sabendo disso, o ideal é levar seu peludo em consultas rotineiras ao médico veterinário, que poderá acompanhar o desenvolvimento do seu pet e saberá te orientar sobre como cuidar a melhor forma possível do seu filho de quatro patas.

Lembre-se que ter um cachorro em casa é sempre motivo de felicidade e que quando decidimos ter um novo pet, estamos nos responsabilizando por ele para o resto de sua vida.

Sobre o autor

Gabriela Teixeira

Gabriela Teixeira

Estudante de medicina veterinária e mãe da Bela. Possuo formação em Biotecnologia, mas o amor por pets sempre foi maior que minha curiosidade pela ciência, tive que mudar de área e seguir meus instintos..rs..Hoje, nutro minhas paixões e sigo curiosa por tudo que se refere a tratar bem de nossos pets.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.