Viajar com Animais: as aventuras de Debbie, Luca e Lisa

Nosso objetivo aqui no Dicas PetLove é o de trocar informações a respeito de tudo o que envolva a vida de nossos amigos peludos. Por isso trouxe hoje uma pessoa que vive uma experiência incrível com seus pets. A Debbie trabalha de casa e viaja o mundo todo levando sempre seus dois cachorrinhos junto: o Luca e a Lisa. Durante essas aventuras a Debbie percebeu a dificuldade em encontrar informações claras sobre as etapas para se viajar com um pet, principalmente para fora do país. Por isso ela criou o site “Viajar com Animais”, para compartilhar suas experiência e ajudar todos os amantes de bichinhos(como nós) a viajar com nossos pets de forma mais simples. Conversamos um pouco com ela e a Debbie nos contou um pouco sobre sua vida, rotina e como é poder trabalhar e viajar sempre ao lado dos melhores amigos que alguém pode ter.

Como surgiu a ideia, a vontade e a coragem de começar esse projeto?

Quando eu comecei a trabalhar de casa, um dos maiores benefícios que eu senti foi a possibilidade de passar mais tempo com meus cachorros. Vivendo em São Paulo, eu demorava horas para ir e voltar do trabalho e quase nunca tinha tempo para curtir meus cães em casa, levá-los para passear e passar mais tempo ao lado deles.

Depois de alguns meses em casa, já que nunca encontrava meus clientes, comecei a pensar em viajar para outro país por algum tempo. Isso, obviamente, só aconteceria se eu levasse a Lisa e o Luca comigo. E foi assim que a pesquisa toda começou. J

O Viajar com Animais é uma junção de tudo que aprendi viajando com animais desde 2014, desde a burocracia para viajar de avião com eles, segurança, os melhores lugares que já visitamos, como cuido dos meus cães e muito mais.

Você já tinha viajado com seus cachorros antes de começar o projeto?

Antes de embarcar pela primeira vez, eu nunca tinha viajado com eles. A Lisa e o Luca tinham vários problemas comportamentais e às vezes até sair para passear com eles era bem complicado. Mas não existia a possibilidade de sair do país e não levar minhas duas crianças peludas comigo! Aos poucos, quando já estávamos no nosso primeiro destino, eu comecei a estudar adestramento e trabalhar em cima do comportamento deles.

Hoje em dia nós já pegamos quase 20 voos, já viajamos para mais de 10 países e visitamos a América do Norte, América do Sul, Europa e Ásia!

Desde 2014, quando tudo começou, qual foi a maior dificuldade que vocês encontraram?

A maior dificuldade de todas foi no início, quando decidi sair do Brasil levando meus cachorros. Passei meses e meses pesquisando, ligando para órgãos oficiais, procurando sites, tentando encontrar pessoas que tinham viajado com animais e tive MUITOS problemas para entender a burocracia para sair com cachorros do país e entrar na União Europeia. Essa foi a principal motivação para que eu criasse um guia com todos os detalhes para viajar com animais, porque faltam muitas informações por aí!

De todos os países, você destaca algum (ou alguns) que é mais receptivo com os bichinhos em relação a espaço pet friendly, facilidade para sair com eles e burocracia para a viagem? E os menos receptivo?

O país mais pet friendly que eu já vivi foi a Alemanha. Lá você pode fazer absolutamente tudo com seu cachorro do lado, de andar no transporte público a levá-lo em bares e restaurantes. A burocracia para levá-los do Brasil até a União Europeia não é das mais fáceis, mas a Europa toda é muito receptiva com animais.

O país menos pet friendly que já moramos foi a Tailândia. Mesmo que a burocracia para chegar até lá não seja tão complicada – é quase a mesma que pedem para a União Europeia, com algumas vacinas e documentos extras – é bem difícil andar com cachorros nas ruas das principais cidades do país, Bangkok e Chiang Mai, porque muitas delas não tem sequer calçadas, só espaço para carros e tuk-tuks. Também tem muitos cachorros pelas ruas, o que faz o passeio ser um pouco complicado.

Quais cuidados básicos você toma com a saúde da Lisa e do Luca para eles encararem essas aventuras estando sempre saudáveis?

Lisa e Luca comem alimentação natural que eu mesma preparo para eles. Eu fiz uma consulta com uma nutricionista veterinária e ela me passou um cardápio bem completo para os dois, que eu tento adaptar de acordo com o país que estou vivendo e a demanda de coisas que tenho por perto. Na sua alimentação eu sempre coloco suplementos que vão de acordo com a localização que estou vivendo. Por exemplo, se precisamos subir e descer muitas escadas todos os dias, adiciono anti-inflamatórios naturais na comida deles, caso eles façam muito esforço. Se o lugar tem muitos cachorros e parques, além do antipulgas comum, também adiciono elementos que ajudam a repelir parasitas de forma natural na sua alimentação. Tudo isso sugerido pela nutricionista deles e depois de muita pesquisa, é claro.

Além disso, também sempre priorizo apartamentos com iluminação natural, para que eles possam tomar sol, e também que tenha algum parque por perto, para que eles possam se exercitar.

Meus cães já tem 10 anos de idade e são muito saudáveis, então acho que está funcionando. J

Durante um trajeto de avião ou trem, por exemplo, quais cuidados principais para garantir a segurança dos bichinhos durante as horas de viagem?

Eu sempre tento manter a rotina deles idêntica mesmo em dias de viagem, deixando eles menos estressados e sem se dar conta de que uma mudança vai acontecer.

Eu sempre faço um passeio bem longo com eles antes de qualquer viagem – quando ela não acontece no meio da madrugada, claro – para que eles possam fazer suas necessidades sem problemas e queimar muitas energias, ficando mais tranquilos na hora de viajar. Também sempre dou um reforço de anti-inflamatórios naturais na alimentação deles alguns dias antes de qualquer viagem e às vezes também algumas outras coisas na alimentação para que a imunidade esteja sempre lá no alto.

O que não podemos esquecer de levar durante um passeio turístico com nossos pets?

Além da coleira bem presa no corpinho deles, saquinhos para recolher fezes e um pote de água dobrável!

Se vou para um restaurante ou algum lugar que eles vão ficar sentados por muito tempo, também costumo levar um osso bem difícil de roer para cada um deles, assim eles ficam distraídos por algum tempo.

Sempre que saio com a Lisa, ela não costuma deitar no chão dos lugares a não ser que tenha um cobertorzinho, então eu também levo uma manta levinha dentro da bolsa para esses momentos.

Existem momentos que você quer/precisa sair sem a Lisa e o Luca, como para ir a uma balada ou ao mercado, por exemplo? Se sim, como e onde costuma deixá-los?

Sim, vários momentos! Depois que começamos a viajar, a Lisa e o Luca começaram a se acostumar muito facilmente com casas novas. Quando nos mudamos para uma casa nova, demora menos de 24h para eles se sentirem em casa. Isso tudo tem a ver com a rotina que eu estipulei para eles e também com o fato de que eu tento me sentir em casa o mais rápido possível : desfaço as malas bem rápido, arrumo tudo que preciso arrumar, dou água e comida pra eles, faço tudo como se a casa já fosse nossa. Aí eles se sentem super tranquilos em casa e posso sair sem problemas.

Outra dica que sempre me ajuda bastante é colocar alguma música para tocar quando vou sair de casa. Isso faz com que eles tenham sempre algum som tocando e não comecem a latir quando me ouvirem chegando em casa – ou qualquer outro barulho da rua.

Nem sempre você encontra produtos da mesma marca em todos os países, ainda mais do universo pet. Você costuma alimentá-los com ração ou alimentação natural? Como faz para manter um padrão alimentar sem que tenha que mudar muitas vezes a alimentação deles?

Eu costumo alimentar meus cachorros com alimentação natural. Fiz uma consulta com uma nutricionista e baseado nos menus que ela traçou para eles eu vou adaptando os ingredientes que consigo encontrar nos países que moro. Por exemplo, agora que estou morando no sul da Itália, estou priorizando peixes na alimentação deles, já que eles são encontrados muito frescos por aqui. Mas sempre faço essas adaptações pensando no cardápio criado pela nutricionista deles, garantindo que estão recebendo todos os nutrientes.

Eu também sempre tenho um pouco de ração seca guardada em casa só para emergências, e para comprar de várias marcas diferentes eu tive que aprender a ler o rótulo e a lista de ingredientes das marcas, garantindo que os principais ingredientes são saudáveis e estão de acordo com a alimentação deles.

Poder viajar o mundo já é demais, acompanhada dos melhores amigos caninos é mais legal ainda! Qual a maior lição que você tirou dessa experiência até hoje?

A maior lição que eu tirei dessa experiência até agora eu aprendi com a Lisa e com o Luca: precisamos nos focar em um problema de cada vez. Quando falamos de burocracia para viajar com animais, parece que é uma lista infinita de coisas que você nunca será capaz de cumprir. Aí é hora de respirar fundo e pensar: ok, qual é a PRIMEIRA coisa que precisa ser feita? Ir lá e fazer. Está pronta? Agora é hora de partir para a segunda.

É uma lição de paciência. Não conseguimos lidar com mudanças de apartamento, burocracia, reserva de voos, cuidado com a alimentação e rotina tudo ao mesmo tempo. Mas se pegarmos uma coisa de cada vez para resolver, tudo fica mais fácil.

Gostaria de fazer alguma consideração final?

Quando eu decidi sair do Brasil para começar a viajar pelo mundo, minha PRIMEIRA preocupação foi a Lisa e o Luca. Ou todos nós iríamos juntos ou não iria ninguém. Eu adotei meus cachorros das ruas de São Paulo há muitos anos e assumi a responsabilidade por suas vidas até o último minuto. Não seria justo deixá-los com alguém da minha família ou doá-los para qualquer outra pessoa e isso nunca passou pela minha cabeça. Posse responsável é isso.

Se você acha que não vai dar conta de ter um animal de estimação e cuidar dele por 10, 15 anos, dando todo o amor do mundo a eles, não tenha um animal!

Demais, né? Segue a Debbie nas redes sociais para acompanhar as aventura da Lisa e do Luca mundo a fora. A partir de agora viajar com seu amigo peludo vai ficar bem fácil com a ajuda da Debbie, da Lisa e do Luca!

www.viajarcomanimais.com.br

Instagram: @barkingaround

Facebook: Viajar com Animais

Twitter: @debbiecorrano

Sobre o autor

Bruna Cela

Bruna Cela

Publicitária e aspirante a empresária. Mãe coruja da Sunny, daquelas que posta mil fotos no Instagram (como essa aí de cima). Ama tudo o que é relacionado a arte e a escrita é sua melhor ferramenta de expressão. Conversa com todos os pets que encontra pelo caminho e jura que, na maioria das vezes, eles respondem.

Deixe um comentário