Cadastre-se e ganhe 20% OFF na primeira assinatura!

Vira-latas: saiba como os SRDs são chamados em diferentes regiões

É fato que todo brasileiro sabe quem são os famosos vira-latas. Além de serem super simpáticos, são muuuuuito amorosos, ganharam a fama de resistentes por sobreviverem nas ruas e são muito presentes nas casas de diferentes regiões do Brasil (liderando o ranking de popularidade).

Mas o que você não imaginava é que eles não são chamados apenas de vira-latas. Neste post, você vai descobrir as outras identidades dos nossos queridos SRDs.

Foto de vira-lata com boca aberta

Confira alguns nomes dados a esses pets que não possuem raça definida:

  • Cusco: palavra originária do estado do Rio Grande do Sul, possui influência espanhola, pois o nome é proveniente da palavra “gozque”, que significa “cachorrinho”;
  • Guaipeca: nome de origem tupi-guarani, usada para dar nome a qualquer cachorro. O termo é popular também no Rio Grande do Sul;
  • Totó: o termo tem sua origem na França, criada a partir da palavra “toutou”, que significa cachorrinho, no Brasil, se popularizou em todas as regiões do Brasil;
  • Pé-duro: palavra de origem nordestina, é utilizada para dar nome a vira-latas que vivem no sertão e andam com vaqueiros. Esse termo também pode ser dado a vacas e cavalos sem raça definida

Vira-latas são mesmo resistentes?

Geralmente a primeira coisa que vem a sua cabeça quando o assunto é vira-lata é a fama que eles têm de serem super resistentes à doenças e situações adversas da vida nas ruas, mas não se engane, eles necessitam de visitas periódicas no médico-veterinário como qualquer outro pet.

O que acontece é que devido à ausência de raça definida, eles se tornaram menos suscetíveis a problemas hereditários, ou seja, aqueles herdados de seus pais e parentes próximos, por isso a população faz essa associação, mas ainda assim estão expostos a doenças infecciosas e parasitárias.

Esses cães simpáticos precisam ser vacinados adequadamente, receber os devidos cuidados em relação ao controle de parasitas internos e externos, além de necessitarem de alimentação de qualidade e regrada, e claro, todo amor do mundo!

Compartilhe esta matéria!

Sobre o autor

Marina Rodrigues

Médica-veterinária apaixonada por animais e escrever, mãe da Meg, uma salsicha cor de chocolate, idosinha e muito carinhosa.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.