Bebedouros para Gatos e Cachorros

Como ocorre com todos os seres vivos, os animais de estimação precisam ingerir água de boa qualidade e na quantidade ideal. Para que isso aconteça o dono deve sempre manter disponível uma fonte de água para que o pet se hidrate a vontade.

Os felinos, principalmente, podem aparentar certa dificuldade para ingestão de água, mas isso só ocorre porque, devido aos seus instintos, agem de maneira peculiar. Os gatos em geral odeiam molhar os “bigodes” na água e, por isso, gostam muito de beber água em superfícies laminares. Quem tem gato em casa, geralmente observa o bichano beber água do chão do box após o banho do dono, ou tentando beber a que está pingando da torneira. Ou seja, para que o bebedouro seja atraente aos felinos, a água deve estar em constante movimento, até mesmo por ser uma forma de mantê-la limpa e fresca. Uma forma de se conseguir esse efeito é utilizando bebedouros em forma de fonte ou instalando bombas d’água, que a manterão em constante movimento. Ainda há a opção de se alimentar os pets com rações úmidas para gatos, que diminuem o problema da ingestão de água, mas não anulam a necessidade de se manter um bebedouro.

É muito importante que os felinos bebam a quantidade correta de água para que seja evitada a ocorrência de problemas urinários, muito frequentes na espécie. A história da evolução dos felinos domésticos tem suas origens no deserto egípcio, o que pode levar à uma característica peculiar desse animal: a concentração da urina, a fim de o animal poupar água. Esse hábito acabou por contribuir para que os gatos, até hoje, tenham problemas urinários.

Os cães também precisam de água fresca e limpa e não apresentam tanta resistência a beber água, como os felinos. Porém, se o cachorro não estiver ingerindo água e estiver desidratado pode-se lançar mão do uso de rações úmidas para cães, que, com sua alta palatabilidade e grande percentual de água, podem hidratar o animal. Porém, como no caso dos gatos, sempre devemos manter uma fonte de hidratação disponível para os pets. Alguns sinais que indicam que o animal está desidratado são: focinho ressecado, cansaço extremo, “olhos fundos”, entre outros sintomas.

Com a decisão de se ter um animal de estimação, deve-se aprender sobre os hábitos inerentes à espécie, saber como oferecer a água e quais alimentos devem ser escolhidos, bem como suas quantidades, para contemplar as necessidades nutricionais de cada pet. Caso ainda restem dúvidas sobre como realizar os cuidados básicos, é importante se informar e procurar um médico veterinário. Esse profissional irá responder a todas as dúvidas, orientando a respeito de como cuidar do animal, caso a caso. Tudo isso, para que os animais de estimação tenham uma vida saudável e feliz, junto aos seus donos.

Sobre o autor

Bruno Oliveira

Deixe um comentário