Cinco raças de cães raras no Brasil

O mundo da cinofilia (criação de cães) é composto por centenas de raças e, com tanta diversidade, acaba sendo difícil conhecermos todas delas. Apesar da criação no Brasil ser algo muito comum, é mais habitual que vejamos mais exemplares de determinadas raças que caem no gosto das pessoas.

Hoje sabemos que o número de cachorros sem raça definida (SRD) é crescente e que a adoção vem ganhando um importante espaço, mas ainda assim tem aqueles que preferem os “pets puros”. A seguir, vamos te mostrar cinco raças que não são muito vistas por aqui.

Cão Pelado dos Incas

Criado no século XIII no Peru, o Cão Pelado dos Incas tinha uma função um tanto quanto inusitada: a de aquecer a cama de seus pais humanos. Com poucos pelos em seu corpo, ele chama a atenção por ter uma pele fina e em alguns casos toda manchada. Ele pode ser encontrado nas versões miniatura, pequena ou média.

Duck Tolling Retriever da Nova Escócia

Como seu próprio nome sugere, o Duck Tolling Retriever da Nova Escócia foi selecionado para caçar aves aquáticas e surgiu no século XIX. Sua pelagem à prova d’água facilita seu manuseio e evita que o cão fique pesado demais quando realiza atividades aquáticas. É obediente e super ativo.

Water Spaniel Irlandês

O Water Spaniel Irlandês também é um simpático “cão d’água” que, desde o século XIX, recolhia aves aquáticas na Irlanda. Sempre disposto e muito brincalhão, ele topa qualquer tipo de atividade ao lado de seus humanos favoritos. Este é considerado o maior de todos os cães do tipo “spaniel”, alcançando quase 60 cm de altura (dos ombros ao chão).

Perdigueiro Português

Considerado um dos perdigueiros mais populares na Europa, o Perdigueiro Português foi criado no século XIII para caçar. Ativo, obediente e sempre atento, ele também pode ser encontrado na variação de pelo longo (menos comum). Em certo momento da história, sua criação foi proibida, sendo restrita à realeza.

Cão dos Faraós

O Cão dos Faraós, também chamado sabujo espanhol, é um dos cachorros mais antigos do mundo, tendo surgido no ano 1000 a.C., em Malta, para caçar lebres. Exótico e super carinhoso, é se destaca também por sua inteligência diferenciada. Seus criadores defendem que a raça é uma homenagem ao deus egípcio Anúbis.

Sobre o autor

Jade Petronilho

Jade Petronilho

É jornalista por formação e comportamentalista veterinária por paixão. Desde criança é a "louca dos bichos", por isso resolveu estudar medicina veterinária, etologia e nutrição animal, mas ainda pretende, um dia, fazer zootecnia. Atualmente tem dois cachorros, dois gatos e 13 peixes, mas além de cães, gatos e peixes, também já foi tutora de um coelho, três periquitos, dois porcos da índia, dois pintinhos e três cabritos.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.