Corrida de galgos é permitida no Brasil?

Depois de uma reportagem exibida em rede nacional expondo os bastidores das corridas de galgos realizadas em cidades da fronteira do Rio Grande do Sul, muita gente tem se perguntado sobre a legalidade desse tal “esporte canino”. Afinal, corrida de galgos é permitida no Brasil?

A origem da corrida de galgos

Os galgos estão entre as raças mais antigas do Mundo. Para se ter uma ideia, existem registros históricos de Greyhounds datados de mais de cinco mil anos presentes em pinturas de cavernas e até em tumbas no Egito antigo. Desde aquela época, esses cachorros já se destacavam pela notória habilidade de corrida. O físico diferenciado contribuía para que fossem ótimos caçadores.

Com o passar do tempo, os cachorros começaram a se popularizar pelo Mundo e sua agilidade já chamava a atenção, até que no fim do século XVIII surgiu a corrida de galgos na Inglaterra. Desde então, o esporte canino ganhou força em vários países, mas o território britânico sempre foi o berço principal.

Seja dito de passagem, a corrida de galgos é um esporte tão tradicional, que até existem “cães ídolos” por lá, que ficaram marcados pelo desempenho mostrado nas pistas. Como é o caso do galgo Mick The Miller, primeiro cachorro a vencer o prêmio Greyhound Derby duas vezes seguidas.

Corrida de galgos é permitida no Brasil?

Corrida de galgos é permitida no Brasil?

Aqui no Brasil, a corrida de galgos não é proibida, mas há uma imensa corrente para que o esporte seja banido, como ocorreu recentemente na Argentina e Uruguai. O problema desta prática está diretamente relacionado ao modo como os cachorros são tratados.

Desde o início da modalidade canina, os galgos costumam competir apenas dois ou três anos por causa das inúmeras lesões provocadas pelo desgaste excessivo das articulações, afetando tendões, músculos e ossos. Depois desse período, eles acabam sendo doados, abandonados e, às vezes, até sacrificados, pois já não geram lucros, mas sim prejuízos aos “tutores” devido aos problemas de saúde.

Um exemplo disso é o famoso Ajudante de Papai Noel, o cachorro magricelo de Os Simpsons. Na história do desenho, o cão era um corredor, porém, ao perder várias e várias provas, seu tutor o abandonou. Felizmente, Homer, que havia feito uma aposta no galgo em sua última corrida, o adotou logo em seguida.

Mas além dos casos de abandono, muitas corridas são realizadas em condições extremamente precárias, visando apenas o entretenimento humano, em vez de realmente ser um esporte canino, como Agility ou Dock Diving.

No último domingo, em rede nacional, foi exibida uma reportagem denunciando maus-tratos nos bastidores das corridas de galgo que ocorrem em algumas cidades de fronteira do Rio Grande do Sul. Com uma câmera escondida, a equipe flagrou situações de maus-tratos, além do uso de drogas injetadas nos cachorros.

Felizmente, há projetos tramitando na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul e na Câmara dos Deputados em Brasília para tentar proibir as corridas. Devido à grande repercussão, a expectativa é que a prática seja banida do País em um futuro próximo.

Sobre o autor

Gabriel Arruda

Gabriel Arruda

É Jornalista, apaixonado por pets e esportes. Está sempre em busca de novos desafios, justamente pela curiosidade que o toma conta. Pai de um Beagle chamado Johnny, mais conhecido como "o Destruidor".

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.