Devo espremer a glândula anal do cachorro?

Já ouviu falar em glândula anal do cachorro? Tudo bem, a gente sabe o quanto o assunto parece ser desagradável, mas esses pequenos depósitos que ficam próximos ao ânus possuem um papel importante na vida canina.

O que é glândula anal?

Normalmente, os pais humanos só têm conhecimento sobre essa parte do corpo do cão quando ela vem a apresentar algum problema. As glândulas anais nada mais são que dois pequenos depósitos que ficam de cada lado do ânus.

Essas pequenas bolinhas têm duas funções importantes: armazenar um líquido lubrificante amarelado que ajuda na hora do pet defecar e espalhar o cheiro característico para ajudar na marcação de território e aos cães se identificarem.

É por essa razão que os cachorros costumam se “cumprimentar” cheirando a parte traseira um do outro!

Devo espremer a glândula anal do cachorro?

Problemas na glândula anal do cachorro

Devido à idade ou problemas de saúde, o cachorro pode ter dificuldade no momento de esvaziar as glândulas e, consequentemente, provocar complicações, como:

  • Abscesso
  • Adenoma (tumor hormonal)
  • Cisto
  • Desconforto
  • Infecção
  • Inflamação

A forma mais comum de descobrir um problema nas glândulas anais do pet é mediante ao mau cheiro, mas existem outros sinais como lambedura excessiva no local, morder a cauda, dificuldades para fazer cocô, inchaço e desconforto.

O que fazer?

A princípio, caso perceba algum sinal de problema na glândula anal do cachorro, leve o pet ao médico veterinário de sua confiança. Logo após diagnosticar o problema, o profissional saberá como agir de maneira adequada para cada caso. Alguns podem ser resolvidos ali mesmo, rapidamente, e outros podem precisar de um cuidado mais intenso em casa nos próximos dias.

Você nunca deve espremer a glândula do pet ou solicitar que façam isso no pet shop, na hora do banho, por exemplo. Isso porque pode causar inflamações no local e piorar o quadro. Além disso, sempre que mexemos na glândula sem necessidade, é como se o seu pet “perdesse a identidade”, pois seu odor característico, aquele que o ajuda a ser reconhecido por outros pets, é retirado sem propósito. 

Sobre o autor

Gabriel Arruda

Gabriel Arruda

É Jornalista, apaixonado por pets e esportes. Está sempre em busca de novos desafios, justamente pela curiosidade que o toma conta. Pai de um Beagle chamado Johnny, mais conhecido como "o Destruidor".

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.