FIV – AIDS Felina

A AIDS Felina foi descoberta na década de 80 e mesmo assim essa doença é pouco conhecida e o fato de não apresentar sintomas até o segundo ou terceiro estágio torna o tratamento difícil.

A AIDS Felina e é causada pelo vírus FIV (imunodeficiência felina). Esse vírus ataca o sistema imunológico do bichano deixando-o vulnerável a outras doenças como, por exemplo, dermatites e periodontites. A FIV AIDS Felina ainda não tem cura, mas pode ser controlada nos gatos por meio de medicações que permitem que os bichanos levem uma vida sem complicações.

O que causa a Imunodeficiência Felina?

A Imunodeficiência Felina (FIV) é causada por um retrovírus do gênero lentivírus, que pertence à mesma família do retrovírus humano – HIV. É um vírus pouco resistente no ambiente e facilmente inativado pelo calor, desinfetantes caseiros ou produtos de limpeza ambiental.

Formas de contaminação

O principal meio de contaminação da FIV é através da saliva, mordidas arranhões. É importante esclarecer que as relações sexuais entre gatos não causam a propagação do vírus, em teoria. A contaminação pode afetar gatos de todas as raças, portes e idades. As fêmeas podem transmitir o vírus através da placenta ou pela amamentação. Além de transfusões de sangue, brigas entre gatos machos por motivos de territórios ou por acasalamento tem alta chance de contágio, devido aos machucados.

Os donos de bichanos contaminados não precisam ficar preocupados em contrair a doença. Além de não existirem evidências de contaminação, a FIV trata-se de uma doença espécie-específica, ou seja, somente felinos podem contrair o vírus.

Sintomas da FIV

A FIV AIDS Felina (Imunodeficiência Felina) possui algumas fases e sinais específicos para cada estágio da doença, porém o mais importante de se observar é a incapacidade do organismo do felino em se defender contra infecções. Às vezes observamos infecções oportunistas, citadas anteriormente, e outras doenças que levam o felino a situações de risco.

Os sinais clínicos da FIV são classificados academicamente em diferentes estágios: fase aguda, portador assintomático, persistente linfoadenopatia generalizada, complexo relacionado à AIDS, síndrome da imunodeficiência adquirida (terminal). Os sintomas são variados, dependendo do estágio que o bichano se encontra. Febre, anorexia, diarréia, doenças respiratórias, comportamento alterado etc.

Diagnóstico da FIV

O diagnóstico da AIDS Felina é baseado nos achados da história clínica, exame clínico durante a consulta e exames laboratoriais do bichano. Na história observamos geralmente doenças recorrentes com prolongado período de tratamento para a cura.

Durante o exame clínico podemos além das alterações relacionadas às infecções secundárias observar esplenomegalia (aumento do tamanho do baço) e hepatomegalia, porém esses achados geralmente se misturam com sintomas de outras doenças. Laboratorialmente podemos observar alterações no hemograma, na eletroforese de proteínas e nos exames sorológicos para detecção da FIV.

Tratamento da Imunodeficiência Felina

Não existe cura, somente um tratamento que visa prolongar a vida do gatinho. É importante que após o diagnóstico seja evitado que o felino adoeça e que passe por algum período de stress. Se ele estiver na fase latente da doença, esses eventos podem levá-lo para a fase aguda da mesma.

Prevenção

Não existe medida de prevenção até o momento, pois é a doença é um retrovírus e possui uma alta taxa de combinação, isso torna difícil a produção de uma vacina eficaz. O meio mais certo de se evitar o contágio da doença é a castração e manter o seu gatinho em casa para não expô-lo a doenças e perigos externos.

 

Achou o post interessante? Então compartilha!

Sobre o autor

Dr. Marcio Waldman

Dr. Marcio Waldman

Medico veterinário, diretor e fundador do www.petlove.com.br. Formado em 1988 pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e pós graduado em latu sensu em odontologia veterinária, foi secretário geral da Anclivepa SP (associação nacional de clínicos veterinários de pequenos animais) e sócio fundador do Simpavet (sindicato patronal dos médicos veterinários). Atuou como clínico veterinário de pequenos animais de 1988 a 2005 em São Paulo, e em 2005 terminou a atividade na clinica para se dedicar exclusivamente ao Pet Love.

3 Comentários

  • Meu Deus descobri que minha gatinha tem essa tal doença. Estou muito triste pois agora eu arrumei um cachorrinho para brincar com ela e acontece isso meu Deus

  • Boa tarde. Eu tenho um gato que adotei das ruas já adulto (ele tinha aproximadamente 4-5 anos) e, infelizmente, através de um exame de sangue, eu descobri que ele tem fiv. Felizmente, até hoje ele ainda é assintomático (embora tenha cerca de 7-8 anos). Assim, gostaria de saber: como funciona o tratamento para a fiv? No que consiste esse tratamento? Injeções, comprimidos, ração específica…? Tem algum site que traz uma relação de clínicas que fazem esse tratamento?
    Obrigada desde já!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.