Gato mordendo o próprio rabo: o que fazer?

Que os cachorros têm “mania” de perseguir a própria cauda, já não é novidade para ninguém. Agora, gato mordendo o próprio rabo? Apesar de ser mais comum no mundo canino, o comportamento também ocorre entre os bichanos e pode significar uma série de problemas.

Gato mordendo o próprio rabo: o que fazer?

Gato mordendo o próprio rabo: O que pode ser?

Pode acontecer de um gato correr atrás do próprio rabo apenas por diversão? Pode, mas é bem improvável! A razão mais plausível é que esse comportamento sinalize um problema de saúde.

Às vezes, o felino está com uma alergia próxima ao rabo e, por isso, não consegue se controlar e tenta pegar a cauda o dia todo. Outro motivo bem recorrente, tanto em cães quanto em gatos, são as pulgas, que causam uma coceira danada na região.

Além disso, a síndrome da hiperestesia felina, causada por terminações nervosas hiperativas, provoca alterações comportamentais como: perseguição da cauda, lambedura ou mordedura excessiva em região lombar, anal ou caudal.

Entretanto, se o pet está apenas perseguindo o rabo e não mordendo, o problema pode ser comportamental. Gatos entediados e com energia disponível tendem a apresentar problemas de comportamento, e perseguir a cauda pode ser um deles.

O que fazer?

Seu gato está mordendo o próprio rabo? Lembre-se: dificilmente ele está fazendo isso por diversão! Isso significa que ele pode estar sofrendo com algum problema de saúde e, por isso, precisa de uma consulta com o médico veterinário.

Agora, caso desconfie que o problema seja comportamental, uma boa alternativa é oferecer um brinquedo interativo e/ ou enriquecer o ambiente onde ele passa a maior parte do tempo. Ainda assim, como de praxe, vale uma consulta com um médico veterinário focado em comportamento felino. O profissional avaliará o seu pet e lhe dará algumas orientações.

Se você costuma tosar o seu gato, evite tosar a cauda inteira. Não é raro que gatos que tenham o rabo tosado persigam a cauda e até mesmo causem feridas na região por passarem a “estranhar” aquela parte do corpo que está tão diferente do habitual. 

Compartilhe esta matéria!

Sobre o autor

Gabriel Arruda

É Jornalista, apaixonado por pets e esportes. Está sempre em busca de novos desafios, justamente pela curiosidade que o toma conta. Pai de um Beagle chamado Johnny, mais conhecido como "o Destruidor".

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.