Gatos com FeLV: o que é e como identificar essa doença

Conhecida como “Leucemia dos gatos”, a FeLV (junto com a PIF e a FIV) é uma das mais cruéis para os bichanos. Responsável por afetar o sistema imunológico dos miaus, gatos com FeLV, assim como com as outras doenças, também não podem ser curados, mas os sintomas podem ser amenizados em busca de uma melhor qualidade de vida.

Transmissão

O vírus da FeLV pode ser transmitido de várias formas: através da saliva e secreções de um gato contaminado, contato com fezes e urina contamina (por isso, se um gato seu está com FeLV, não deixe que compartilhe a caixa com os outros miaus), até por potes de comida ou água.

Filhotes de gatas infectadas já podem nascer com a doença por contaminação da placenta ou até durante a amamentação.

E assim como a FIV, a doença só é transmitida de gato para gato, ou seja, humanos não podem ser contaminados.

Sintomas

A FeLV, assim como a FIV, também compromete a imunidade do seu miau. Gatos com FeLV apresentam diversos sintomas. Entre eles, estão perda de peso, anemia, tumores (principalmente o linfoma), depressão, dificuldade de respirar, febre, problemas nas gengivas, mucosa alterada nos olhos, nos rins, no baço e no fígado (que aumentam de tamanho).

Além disso, é importante lembrar que o vírus pode já estar no gato e ele não apresentar nenhum sintoma. O vírus pode demorar anos para se manifestar.

Diagnóstico e tratamento de gatos com FeLV

Não adianta fazer um exame de sangue comum nos gatos. Ele não é capaz de identificar se o seu gato é portador do vírus da FeLV. Por isso, é necessário fazer um exame de sangue específico para a doença, chamado ELISA. Como dito anteriormente, muitas vezes os gatos não apresentam sintomas, então é importante todos os gateiros levarem seus gatos para realizar esse exame.

Não existe cura para a FeLV ainda. Só é possível tratar os sintomas para melhorar a qualidade de vida dos gatos com FeLV. No entanto, existe no mercado a vacina quíntupla que serve de prevenção contra o vírus. Ela deve ser dada quando o gato é filhote e depois anualmente.

 

Sobre o autor

Larissa Moreira

Larissa Moreira

Larissa tem quatro miaus: Câmara, Ação, Gravando e Clica Fora, está no quarto ano de jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, é apaixonada pela língua alemã, livros de fantasia, chá de camomila e pelos seus quatro bebês (que já nem são mais bebês).

Deixe um comentário