Mastiff – Principais doenças

Grande, poderoso e imponente, o Mastiff pode ter cara de mau, mas ao contrário do que muitos pensam, ele é um cachorro amoroso que gosta de estar dentro de casa junto aos seus pais humanos. Podendo pesar até 90Kg, a raça possui predisposição a alguns problemas que são genéticos e/ ou hereditários. Saiba quais são as principais doenças do Mastiff nesse post.

principais doenças do Mastiff

Doenças musculoesqueléticas

Uma das principais doenças do Mastiff são as que afetam seu sistema locomotor. A raça possui uma predisposição à displasia coxofemoral, uma condição genética que gera um encaixe incorreto na articulação do fêmur com o quadril. A consequência é o cachorro não conseguir realizar atividades do dia a dia como sentar, levantar e em estágios mais avançados até andar. 

A ruptura do ligamento cruzado cranial também pode afetar o Mastiff, já que é de conhecimento que o problema afeta mais cachorros de porte grande e gigante por terem um crescimento rápido e sobrecarga desse ligamento que tem como função controlar o movimento do joelho e do osso tíbia. 

Problemas de pele 

Com várias dobrinhas pele corpo, o cachorro Mastiff infelizmente é mais propenso a sofrer com problemas de pele. Uma das condições mais comuns são os calos de decúbito ou também chamados de hiperqueratose ou calos de apoio, que fazem com que algumas regiões do corpo fiquem mais espessas e sem pelos, geralmente nos cotovelos. Os cachorros dessa raça também podem ser afetados por intertrigo ou também conhecida como piodermite das dobras cutâneas, um tipo de infecção e inflamação da pele que afeta suas ruguinhas. 

Síndrome Wobbler

A Espondilopatia Cervical, como também é conhecida a Síndrome de Wobbler, é uma doença neurológica de origem genética que pode causar danos permanentes no Mastiff afetado. A condição leva a um estreitamento do canal vertebral e, por consequência, a compressão da medula espinhal. Um dos fatores que contribui para o desenvolvimento da síndrome é o crescimento acelerado dos cães de porte maior, que pode acabar em uma má formação óssea. Os principais sinais da espondilomielopatia são a dificuldade para se locomover, postura cabisbaixa e falta de coordenação motora.

Problemas nos olhos

O Mastiff tem tendência a sofrer com alguns problemas que afetam o seu olho, como o  Entrópio e Ectrópio. Caracterizados pela pálpebra se movendo para fora (ectrópio) e pela pálpebra virada para dentro (entrópio), as condições podem causar irritações e inflamações no globo ocular que são um verdadeiro incômodo. Outras condições comuns são a catarata e a distrofia corneana.

Síndromes gastrointestinais

Cachorros de porte grande possuem tendência a acumular gases no estômago, aumentando o risco do estômago girar na cavidade abdominal, um quadro que chamamos de torção gástrica. A condição é perigosa e considerada de emergência e o Mastiff que come rápido ou bebe muita água e logo após sai para brincar e correr também tem mais chances de sofrer com o problema. Ao observar sinais de inquietação, enjoo, vômito ou tentativas de vômito e lambedura dos lábios, é muito importante que você leve o pet ao médico veterinário. 

Doenças do sistema urinário

O Mastiff tem uma predisposição genética a desenvolver cálculos urinários, uma espécie de “pedra” que se forma devido ao acúmulo de certos minerais na bexiga e uretra, podendo causar uma obstrução. A forma mais comum da condição no Mastiff é a cistinúria – eliminação de cistina na urina, devido a um defeito herdado na raça que excreta excessivamente esse aminoácido que é pouco solúvel em água. 

Os problemas urinários são mais comuns em machos e os principais sinais clínicos dos cálculos são dificuldade para urinar, desidratação, apatia e em casos mais graves, sangue presente na urina. O problema tem tratamento e cada caso deve ser avaliado por um médico veterinário.

As doenças citadas aqui são provenientes de estudos e artigos de predisposição de certas doenças em raças. Lembrando que seu Mastiff pode viver uma vida saudável sem ser acometido por nenhuma enfermidade. Entretanto, a informação e conhecimento são importantes e a qualquer sinal de que algo está errado com seu peludo, procure um médico veterinário.

Compartilhe esta matéria!

Sobre o autor

Beatriz Mario

Estudante de Medicina Veterinária, sonho que tenho desde criança, cresci com gatos e hoje sou uma felícia assumida. Tenho dois felinos resgatados: o Frodo e o Bilbo, que são considerados meus filhos de pelo. Meu propósito de vida é ajudar o máximo de pets possíveis e fazer com que eles fiquem mais felizes e saudáveis escrevendo para o blog da Petlove.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.