Os pets e a saúde pública

Os pets e a saúde pública

Os Pets e a Saúde Pública.

A interação entre os seres humanos e os animais vem desde a pré-história,  quando esse laço afetivo era desenhado nas pinturas encontradas em cavernas. Com a correria diária e a opção de muitas pessoas por morar sozinhas, houve um aumento na quantidade de humanos optando por um animalzinho de estimação. A decisão de se ter um pet deve ser bem pensada, pois há os custos de alimentação e as necessidade de um habitat adequado para o bichinho. Se for um cão, ele precisa de passeios diários, brincadeiras, entre diversas outras obrigações com as quais o novo dono terá de se preocupar durante toda a vida do animalzinho.

Além de toda a preocupação em oferecer o melhor ao animal de estimação, o dono se tornará responsável, também, por impedir que esse novo amigo de quatro patas transmita doenças às pessoas, faça sujeira em vias públicas ou cause qualquer outro dano. As doenças que podem ser transmitidas pelos pets aos humanos são chamadas de zoonoses. Uma das mais conhecidas é a raiva, que é transmitida principalmente pelo contato da saliva de um indivíduo contaminado com uma ferida ou mucosa de um não-portador do vírus.

O proprietário de um animal de estimação é um dos responsáveis pelo controle dessa doença e por impedir que tanto o animal, quanto as pessoas ao seu redor, sofram qualquer risco de contraí-la. Isso é feito através de visitas frequentes do bichinho ao médico veterinário, para que possa ser examinado e vacinado. Assim, além de impedir que o pet adoeça, faz com que ele não venha a se tornar um transmissor. Infelizmente, a raiva não tem cura, é uma doença letal.

Levar o amigo de quatro patas ao médico veterinário servirá, também, para que faça um check-up geral e coloque em dia a vermifugação. Embora muitas pessoas desconheçam, há zoonoses que são transmitidas através das fezes dos animais. Uma delas é o “bicho geográfico” (Larva migrans cutânea) ou a Larva migrans visceral, que é transmitida por cães e gatos parasitados pelo verme Ancylostoma spp. Para evitar o contágio, o dono deve seguir todo o protocolo de vermífugos passado pelo médico veterinário e sempre recolher a sujeira do seu animal de estimação. O passeio é ótimo e necessário, mas a limpeza urbana e o controle de doenças também. Quem sai para caminhar com o bichinho não pode nunca esquecer de levar um saquinho para recolher as fezes e descartá-las corretamente. Há várias zoonoses que, com o correto manejo e os cuidados do proprietário, serão evitadas e garantirão o bem-estar do pet e das pessoas.

Alimentação adequadagrades de porta para evitar fugas, correta higiene dos cãeshigiene dos gatos, passeios com uso de coleiras para evitar que o cachorro fuja, se machuque ou machuque alguém, limpeza das fezes, higiene do ambiente, entre outras atitudes, são partes importantes na criação de um bichinho. Zelar para que o pet não leve problemas à sociedade é um compromisso assumido pelo dono, durante toda a vida do animalzinho.

Sobre o autor

Bruno Oliveira

Deixe um comentário