Por quanto tempo devo exercitar meu cachorro?

Que todos os pets precisam ser exercitados fisicamente diariamente, todo mundo já sabe. Mas, afinal, por quanto tempo devo exercitar meu cachorro? Essa é uma pergunta bastante difícil de responder, já que cada um possui suas próprias necessidades, e vários pontos determinam se eles precisam de uma rotina física mais intensa ou de apenas uma caminhadinha pelo quarteirão.

Por quanto tempo devo exercitar meu cachorro?

Filhotes

A idade do cachorro é a primeira questão para ser analisada a fim de descobrir quanto tempo ele deve ser exercitado diariamente. Os filhotes possuem altos picos de energia seguidos por horas de sono bem profundo para recuperar todo o ânimo e se desenvolverem de forma adequada.  Até as 16 semanas de vida, oferecer um bom brinquedo para o cãozinho e interação com a família é o suficiente para que ele brinque por muito tempo até que se canse e caia na soneca.

Já os filhotes mais velhos podem brincar por um período maior. Uma boa alternativa para manter um cãozinho ocupado por horas gastando toda a sua energia é utilizar brinquedos interativos, como o Kong ou o Jogo Interativo Labirinto da Chalesco, que são ideais para estimular o pet mentalmente.

Para os pais atletas que adoram correr, por mais que o pet tenha fôlego, o indicado é esperar até os 18 meses para levar ele para uma caminhada mais longa ou corrida, pois é o tempo necessário para que os ossos e articulações amadureçam por completo.

Os cachorros idosos, por sua vez, também precisam de atividades físicas, assim como os filhotes, mas com um pouco de cautela. De acordo com a idade e problemas de saúde, como a artrite, os exercícios devem ser curtos, mais fáceis e de baixo impacto.

A raça influencia – e muito!

Isso mesmo, a raça do seu cachorro diz muito sobre a quantidade diária de exercícios físicos que ele requer para se manter saudável. Cães pastores, como Border Collie e Pastor Alemão, por exemplo, possuem um nível elevadíssimo de energia, assim como os Greyhounds, que foram projetados especialmente para corridas.

Já os mais mais tranquilos, aqueles que foram desenvolvidos para serem cães de companhia, como o Pug, são menos enérgicos e precisam de poucos exercícios no dia a dia. Lembre-se: pouca necessidade não significa que eles não precisem, muito pelo contrário.

“Mas o meu cachorro não tem raça definida (SRD), e agora?” A genética que predomina no seu pet é o que mostrará o quanto ele precisa ser exercitado. Se é perceptível que o seu cão seja oriundo de um terrier, por exemplo, certamente ele tem uma alta demanda de atividades.

Por essa razão, é fundamental realizar uma pesquisa afundo sobre a história da raça que pretende adotar para que as necessidades físicas sejam atendidas corretamente. Para lhe auxiliar nessa questão, temos uma extensa biblioteca de raças com todas as informações que os pais humanos precisam saber antes de realizar a adoção.

Saúde em primeiro lugar!

Agora que você já captou qual a necessidade física do seu cachorro, é preciso consultar um médico veterinário de confiança para saber se há algum tipo de problema de saúde que possa tornar as atividades um verdadeiro incômodo ou uma ameaça para ele. Isso será fundamental para saber quanto tempo e qual tipo de exercício é apropriado.

Além da ida ao médico veterinário, é preciso ter atenção à linguagem corporal do cão. Se ele está mais lento que o comum ou recusando se mover, ele pode estar cansado ou com algum tipo de incômodo.

Sobre o autor

Gabriel Arruda

Gabriel Arruda

É estudante de Jornalismo, apaixonado por animais e esportes. Está sempre em busca de novos desafios, justamente pela curiosidade que o toma conta. Pai de um Beagle chamado Johnny, mais conhecido como "o Destruidor".

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.