Por que vacinar os gatos no rabo ou membros?

Até pouco tempo, era bastante comum que os médicos veterinários fizessem aplicações em gatos da mesma forma que faziam em cães, escolhendo áreas como a pele do dorso e dos “flancos”. Injeções subcutâneas (feitas sob a pele) são bem comuns na prática veterinária inclusive para a vacinação dos nossos pets.

Nos últimos anos, porém, foi descoberto que alguns gatos podem ter problemas sérios decorrentes das aplicações de fármacos e vacinas. Mais sensíveis, no local da aplicação os pets podem desenvolver um tipo de câncer bastante agressivo conhecido como sarcoma vacinal.

O sarcoma por aplicação pode iniciar com uma pequena área mais rígida ou um espécie de ferida algum tempo depois do gato ter sido vacinado ou medicado. O que parece uma simples inflamação local pode evoluir e, por ser um tumor maligno, ir muito além do subcutâneo e atingir órgãos.

Estudos mais recentes defendem que um a cada 10 gatos pode desenvolver o problema, que normalmente está ligado a questões genéticas. Algumas pessoas, por falta de conhecimento, param de vacinar seus gatos para evitar o problema, mas a solução não é essa.

O indicado é pedir para que seu médico veterinário faça as aplicações nos membros (patas) ou no rabo do animal. Isso mesmo: no rabo! Por mais incomum que possa parecer, essa é a melhor prática, pois não deixa seu pet sem vacina ou medicação e, caso ele tenha alguma reação exacerbada, a chance de atingir órgãos e comprometer sua saúde é bem menor.

Gatos vacinados nos membros ou rabo que por ventura apresentem sarcoma vacinal devem passar por uma consulta com um médico veterinário oncologista. O “tratamento” dependendo do caso é a amputação do local afetado, algo que não costuma causar prejuízos à qualidade de vida do gato e que o salvo de um prognóstico bem pior.

Sobre o autor

Jade Petronilho

Jade Petronilho

É jornalista por formação e comportamentalista veterinária por paixão. Desde criança é a "louca dos bichos", por isso resolveu estudar medicina veterinária, etologia e nutrição animal, mas ainda pretende, um dia, fazer zootecnia. Atualmente tem dois cachorros, dois gatos e 13 peixes, mas além de cães, gatos e peixes, também já foi tutora de um coelho, três periquitos, dois porcos da índia, dois pintinhos e três cabritos.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.