Ser dominante com um cachorro piora sua relação com o pet

Abrir as portas de casa para um pet é uma decisão que precisa passar por uma boa reflexão, levando em conta não só as questões relacionadas à saúde, bem-estar e alimentação, mas também a forma como aquele futuro integrante da família será socializado e tratado.

Quem aposta numa educação canina baseada na rigidez de comandos, autoritarismo e confunde disciplina com rispidez, acaba escolhendo um caminho tortuoso, que não renderá bons frutos na relação com o animal e pode, inclusive, gerar nele fobias e transtornos difíceis de serem contornados.

Cachorro-triste-Petlove

Estudos, pesquisas e, por que não, a nossa própria experiência com os cães,  indicam que os peludinhos são animais sencientes – seres capazes de sentir de forma consciente. Logo, se o seu trato com o bichinho não é algo leve e carinhoso, não vai demorar muito para ele procurar algumas maneiras de se afastar de você. Sim, os cães também não gostam de relações tóxicas.

Mas o meu cachorro quer ser o rei do pedaço

Algumas raças, instintivamente, desejarão ser o chamado “macho alfa” da casa – independentemente do sexo -, mas definitivamente não será no “grito” que você conseguirá mostrar ao pet que não é ele quem define o que pode e o que não pode no lar.

A socialização de um cachorro exige paciência, resiliência e também consistência, por isso, acredite em treinamentos diários, com recompensas (elogios/ petiscos) e muito amor. A maioria dos cães ama saber que estão agradando e ao perceberem que o tutor ficou feliz com uma atitude, é bem provável que eles queiram repetir a dose. 

Uma abordagem truculenta pode até fazer com que o cachorro realize aquilo que você está querendo, mas o preço a se pagar será alto: ter em casa um bichinho em constante estado de estresse e medo. Ou seja, você acaba tendo a falsa impressão de que aquilo deu certo, mas como consequência terá um pet frustrado e sempre receoso.

Se quiser ter o respeito do seu pet, basta pensar no que consideramos o ideal em um ambiente corporativo, por exemplo. É melhor ter um chefe, que apenas dá ordens, ou um líder, que nos orienta como fazer e nos deixa livres para executar? Quem lidera um grupo, independentemente do contexto, assume as responsabilidades como tal, e não tem nada a ver com ser agressivo, muito menos cruel.

Trate o pet sempre de maneira respeitosa, optando por uma abordagem positiva. Desconfie de métodos alternativos ou dicas “infalíveis” como utilização de buzinas, borrifadores de água ou outros acessórios, pois eles podem prejudicar tanto a saúde física quanto emocional do bichinho.

Os profissionais especializados em adestramento ou em comportamento canino são ótimos para você procurar consultoria, tirar dúvidas e receber orientação correta de como manter uma relação saudável com o seu parceiro peludinho.

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.