Vacinação em Animais Exóticos

Quando se escolhe ter um animalzinho exótico de estimação, deve-se entender ao menos um pouco, sobre sua fisiologia e sobre como cuidar da sua saúde e alimentação. Dentre os cuidados de atenção à saúde e prevenção de doenças, a vacinação é a principal arma de combate. A necessidade de determinadas vacinas muda de acordo com a espécie. Quanto a cães e gatos, o calendário de vacinação é bem conhecido, bem como as doenças que devem ser evitadas. Entretanto, quando o pet é exótico, muitas dúvidas ficam no ar a respeito das vacinas necessárias.

Todos os direitos reservados a lisa@lethen

Vacinação em Animais Exóticos

Mamíferos silvestres, como os ferrets, ou furões, que estão ficando famosos, devem ser vacinados, pelo menos contra duas doenças: a raiva e a cinomose. A raiva é uma doença grave, de caráter zoonótico que acomete homens e animais e se desenvolve especialmente em mamíferos. A cinomose é uma doença viral grave, bem conhecida entre os cães, mas os furões também são suscetíveis, bem como outros animais: a ariranha, o mangusto e o guaxinin. Seus principais sintomas são febre, irritação nos olhos, secreções no focinho, tosse, diarreia e vômitos, lembrando que o período de incubação da doença é bem variável. Além da vacinação, manter a limpeza na gaiola dos animais contribui para a prevenção da doença.

Roedores, como chinchilas e hamsters, geralmente são obtidos de criadouros especiais e já saem livres de doenças. Como ficam em espaços restritos, como gaiolas, geralmente não necessitam de vacinas ou vermífugos. Entretanto a vacinação para aves silvestres de estimação se torna obrigatória em momentos de surtos de doenças como a bouba, Marek e a doença de Newcastle. Em alguns casos isolados, também se faz necessário o uso de suplementos e vitaminas, para tanto, é fundamental consultar um veterinário antes.

Os répteis tem conquistado público por precisarem de menos cuidados, em comparação com outras espécies. Aspectos como: vacinas, banhos e visitas frequentes a pets shops não acontecem na vida destes bichos. Porém, seus donos devem ser mais atentos a alterações de rotina e comportamento, pois assim saberão que algo não esta bem.

Seja qual for o animal escolhido para ser o bichinho de estimação, sua fisiologia, seus cuidados básicos devem ser bem conhecidos. É importante saber detalhes como o fato de que pequenos roedores têm uma vida curta, mas os répteis podem viver por mais tempo que o seu dono, algumas tartarugas, por exemplo, podem viver por volta de 100 anos. Além de ter essas informações, é necessário eleger um médico veterinário para complementar os cuidados, apenas assim, a vida do animal será feliz.

Sobre o autor

Dr. Marcio Waldman

Dr. Marcio Waldman

Medico veterinário, diretor e fundador do www.petlove.com.br. Formado em 1988 pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e pós graduado em latu sensu em odontologia veterinária, foi secretário geral da Anclivepa SP (associação nacional de clínicos veterinários de pequenos animais) e sócio fundador do Simpavet (sindicato patronal dos médicos veterinários). Atuou como clínico veterinário de pequenos animais de 1988 a 2005 em São Paulo, e em 2005 terminou a atividade na clinica para se dedicar exclusivamente ao Pet Love.

Deixe um comentário