Cadastre-se e ganhe 10% OFF na primeira compra!

A anestesia pode ser perigosa para cães braquicefálicos (de focinho achatado)?

Os cães de focinho achatado são cada vez mais populares no Brasil e, quando se faz muito sucesso, uma série de curiosidades e dúvidas acabam surgindo. Mas, afinal, é verdade que a anestesia é mais perigosa para cães braquicefálicos?

A resposta é não e sim. Confuso? Calma, a gente te explica. O não é porque raças braquicefálicas como Pug, Lhasa Apso, Shih Tzu e Bulldog Francês, entre outros, não são mais sensíveis do que outras à anestesia. E, aproveitando que o tema cause frio na espinha de quem tem um pet, saiba que até agora, cientificamente falando, apenas uma raça é considerada mais sensível à picada que tira a nossa sensibilidade: o Greyhound e outros galgos.

Buldogue recebendo anestesia

O sim da resposta acontece porque, devido a maior dificuldade de respiração dos cachorros braquicefálicos, o médico veterinário precisa tomar certos cuidados para que os bichinhos possam inspirar e expirar tranquilamente. Mas, como você verá a seguir, não há motivos para pânico, já que bons procedimentos pré e pós-anestesia dão segurança para você e também para o seu pet.

Respiração requer cuidados especiais

A doutora Karina Casagrande Ferreira, Médica Veterinária e pós-graduada em Anestesiologia de Cães e Gatos, nos ajudou a entender melhor o assunto.

“A anestesia em animais de pequeno porte apresenta constante evolução, mostrando-se cada vez mais segura e auxiliando na qualidade de vida dos nossos pets, porém, quando se trata de cães braquicefálicos, o cuidado pós-anestésico deve ser redobrado, pois eles podem ter um conjunto de alterações denominadas de síndrome do braquicefálico”, diz Casagrande.

Esta síndrome faz referência aos cuidados que se deve ter devido à condição corporal dos cães braquicefálicos, que têm narinas mais estreitas (que dificultam a entrada de ar) e palato mole – parte do “céu da boca” – alongado (que pode gerar uma obstrução mecânica na entrada da laringe). “Por isso, é importante que esse animal receba oxigênio antes do procedimento cirúrgico, durante e, em algumas situações, no pós-operatório também por meio de sonda nasal”, explica a médica.

Pré-operatório caprichado

Como você deve imaginar, os cuidados médicos devem começar bem antes do peludinho entrar na sala para ser sedado. 

Quando se fala em anestesia, é importante que o pet passe por exames pré-operatórios, que podem incluir: exame de sangue, cardiológicos ou de imagem, como ultrassonografias e radiografias. O médico veterinário solicita os exames de acordo com a idade e estado de saúde do animal.

“Conhecendo todas as características anestésicas e tendo os exames prévios aprovados, o risco de complicações anestésicas é minimizado”, conta Casagrande, que aproveita para deixar uma dica aos pais e mães de cães braquicefálicos:

“Observe se o seu cachorro apresenta algum desses sintomas: roncos em excesso, dificuldades respiratória ou ofegância extrema, língua azulada ou pálida, tosse, engasgos ou espirros constantes, desmaios e/ ou cansaço fácil. Caso seu pet apresente alguns desses sinais, converse com seu médico veterinário e elucide todas as dúvidas antes da anestesia do seu pet”.

Quer saber mais sobre os cães braquicefálicos? Leia esse nosso post especial sobre eles!

Compartilhe esta matéria!

Sobre o autor

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e que não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.