Atenção! Os perigos da automedicação em cães e gatos.

Ter um animal de estimação não é uma tarefa simples, principalmente naqueles momentos em que temos que vê-los passando mal de mãos atadas. São nessas situações que muitas pessoas tomam uma decisão precipitada: ao invés de recorrerem a um médico veterinário, optam pela automedicação, ou seja, medicação sem prescrição de um profissional capacitado. Para piorar essa situação, na maioria das vezes, recorrem a medicamentos encontrados em casa, muitas vezes medicamentos de uso humano.

Esse esforço em minimizar o sofrimento associado à falta de conhecimento pode ser extremamente nocivo à saúde de cães e gatos. O uso indevido de medicamentos pode levar o animal a um quadro de intoxicação, mascarar os sinais clínicos de uma enfermidade mais grave ou ainda piorar o estado clínico do animal, podendo em determinados casos levá-lo à morte.

Os animais possuem uma resposta farmacológica diferente dos seres humanos, um remédio que é inofensivo à nossa espécie pode fazer muito mal a cães e gatos. É comum na rotina clínica casos de intoxicação, alergias ou reações adversas a determinados remédios que são inofensivos aos humanos ou a outras espécies (bovinos, equinos, etc.).

Gatos são mais sensíveis e apresentam grande intolerância a medicamentos que são usados sem maiores problemas em cães e humanos. Alguns medicamentos podem ser fatais, alguns princípios ativos têm seu uso proibido em cães e gatos tais como:

– Princípios ativos proibidos para gatos: ácido acetilsalicílico, paracetamol, diclofenaco sódico, ibuprofeno, peróxido de benzoíla, entre outros.

– Princípios ativos proibidos para cães: diclofenaco de potássio, diclofenaco de sódio, Piridium®, entre outros.

Atualmente existem vários produtos no mercado veterinário brasileiro para as mais diversas finalidades, sendo estes os mais indicados, uma vez que foram elaborados especificamente para cães e/ou gatos. É importante que os proprietários se conscientizem dos perigos que a automedicação traz tanto para seus animais de estimação quanto para si mesmos. É imprescindível consultar um médico veterinário sempre que houver qualquer alteração em seu animal doméstico antes de medicá-lo com qualquer tipo de remédio.

Por Mariana Castelhano Diniz, Médica Veterinária e Assistente Técnica da Ourofino Saúde Animal – Unidade de Negócio Pet.

Sobre o autor

Bruno Oliveira

Deixe um comentário