Como Aparar as Asas de Uma Calopsita

É importante aparar as asas das calopsitas por diversas razões, dentre elas evitar que a ave se perca dentro de casa, impedir que ela se machuque, além de torná-la mais dependente de seus donos, que facilita muito o processo de amansamento do animal. O corte das penas das asas é indolor e mesmo assim elas poderão fazer voos bem curtos. Essa medida permitirá que a calopsita tenha mais liberdade fora de gaiolas ou viveiros.

Alguns direitos reservados por Tieltime

“Este é um processo delicado que requer cautela, principalmente para não cortar as penas secundárias que ainda estão nascendo e não machucar acidentalmente o animal.”

Para realizar esse procedimento, alguns cuidados devem ser tomados. As calopsitas possuem dez penas que as ajudam a voar, chamadas penas primárias, que devem ser cortadas de preferência nas duas asas para maior segurança. Por caráter estético, algumas pessoas optam por deixar as três primeiras penas e cortam da quarta até a décima pena, para que quando a asa estiver fechada o corte não apareça.

Este é um processo delicado que requer cautela, principalmente para não cortar as penas secundárias que ainda estão nascendo e não machucar acidentalmente o animal. Se caso um corte errado gerar algum sangramento, o procedimento adequado é o de arrancar a pena pelo canhão, bem rente à pele puxando-o totalmente com algum acessório como uma pinça ou alicate esterilizado e finalizar com a limpeza do local com algodão e soro fisiológico. Na finalização do amansamento da calopsita, é possível deixar as penas dela crescerem normalmente, o que leva em torno de um ano.

Aparar as asas de uma calopsita não é um procedimento difícil, mas requer conhecimento e gentileza para segurar o bichinho nas mãos. Se caso o animal estiver estressado ou se debater muito, é recomendado parar imediatamente e tentar quando a ave estiver mais calma. Se houver certa insegurança para isso, é melhor não arriscar machucar o animalzinho e levá-lo a um veterinário para que ele faça o procedimento sem riscos.

Sobre o autor

Bruno Oliveira

Deixe um comentário