Conheça o período mais sensível da socialização dos gatos filhotes

Você já ouviu falar que os gatos precisam de uma boa socialização logo na primeira etapa da vida para crescerem de maneira saudável tanto física quanto mentalmente. Mas, sabia que estudos indicam que há um período no qual os gatos ficam mais sensíveis a estreitar a relação com humanos e outros pets?

Pois é! E essa “janela de oportunidades” para estreitar os laços com o gato acontece bem cedo, entre a segunda e a nona semana de vida dele. É durante este período, no qual ele já está começando a enxergar e a ouvir, que o gato começa a construir suas relações sociais e fica mais aberto para se conectar com seres que não são da sua espécie.

Olá, humanos!

Ele ainda pode estar “cheirando a leite”, mas o gatinho filhote já pode ser incentivado a entender que a sua presença ou de algum outro pet da casa não representa um risco para ele.

Tão importante quanto preservar a convivência entre mãe e gato (a mais rica das experiências), é você se aproximar do peludinho, com gestos, toques, conversas, entre outros, não esqueça que todo o nosso corpo se comunica e pode facilitar a interação. Acostumar-se com o nosso cheiro, por exemplo, é essencial para que o bichinho possa aumentar a identificação conosco.

Curioso é que, recém-chegado ao mundo, o gato está passando por um período agitado de experiências, no qual ele inclusive está aprendendo a ser um gato, então cada ser tende a ser único para ele. Ou seja, um homem, uma mulher e uma criança não serão vistos como da mesma espécie e cada um precisará passar por este processo de socialização para estreitar laços com o filhote.

Capriche na socialização

Agora que você sabe da existência deste “período de ouro”, programe-se para fazer bonito na socialização do seu pet. Manipular o gatinho com frequência desde cedo, por exemplo, é ótimo não só para aumentar o entrosamento entre vocês, mas também para dessensibilizar o filhote.

Converse com a família para que todos participem da socialização e ajudem a enriquecer as experiências do gatinho. Quanto tempo diário é preciso? Depende de cada gato, mas não são necessários exageros. Alguns minutos por dia já são suficientes para que em pouco tempo o filhote fique completamente à vontade ao seu lado. Mais importante do que a duração é a variedade na socialização, portanto, brinque, acaricie, manipule a boca do bichano, deixe ele se entrelaçar nas suas pernas, entre outros. Obviamente, gatos que passaram por traumas ou que a mãe não teve contato com humanos demandam mais tempo e paciência neste processo.

No caso da relação entre pets, deixe os bichinhos se conhecerem, fazendo uma aproximação gradual, garantindo, é claro, que o pet mais velho seja receptivo com o filhotinho e sempre tomando o máximo de cuidado para que não haja nenhuma desavença ou animosidade entre eles, pois um briga pode ser suficiente para traumatizar o filhote. 

Procurar ajuda profissional com um médico veterinário especializado em comportamento felino também ajuda bastante a garantir um pleno desenvolvimento do bichinho e assegurar que sua saúde anda completamente em dia!

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.