Diabetes Mellitus em cães e gatos

O mês de novembro será marcado para a medicina veterinária pela Campanha de Prevenção e Controle da Diabetes mellitus Canina e Felina, idealizada e realizada para conscientizar a população sobre a ocorrência da diabetes em cães e gatos, além de alertar médicos veterinários sobre a prevenção e a importância em realizar exames regulares para detectar a doença precocemente.

A semana de Prevenção e Combate a Diabetes em humanos acontece de 07 a 14 de novembro, por isso, a medicina veterinária escolheu essa data. Em parceria com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia Veterinária (ABEV), a Royal Canin do Brasil torna essa Campanha nacional e traz com exclusividade para as clínicas e pet shops de todo o país informações sobre a importância da prevenção e controle da doença. A iniciativa conta com o apoio do sócio fundador e idealizador do projeto, o médico veterinário Alan Pöppl.

A Diabetes mellitus é uma das doenças endócrinas mais frequentes em cães e gatos. Embora dados epidemiológicos brasileiros sejam escassos, podemos considerar que pelo menos um em cada 200 cães ou gatos sofrem com essa doença, e o número vem aumentando cada ano. Fato que se explica devido a maior expectativa de vida dos animais, pelo aumento da incidência de obesidade e do sedentarismo dos animais, que vivem cada vez mais em lugares pequenos, como apartamentos e realizam cada vez menos exercícios.

Para garantir longevidade e melhor qualidade de vida a estes animais, a Royal Canin do Brasil trabalha com a filosofia do cão e do gato em primeiro lugar, e busca alertar os médicos veterinários com orientações sobre o manejo nutricional correto, o que se torna indispensável no tratamento de animais diagnosticados diabéticos. Consequentemente estes profissionais proverão informações aos proprietários destes animais para controlar adequadamente a doença.

A Royal Canin desenvolve produtos específicos para auxiliar no tratamento e controle de doenças como a Diabetes Canina e Felina. Atualmente, a Royal Canin oferece um alimento como solução nutricional para cães, a Weight Control, e um alimento para gatos, a Diabetic Feline.

“Inclusive no caso de gatos obesos diagnosticados precocemente com diabetes, o tratamento correto e imediato pode levar à remissão do diabetes, ou seja, o gato poderá ter uma vida normal e sem injeções de insulina, apenas mantendo uma alimentação correta durante toda a sua vida”, explica a Dra. Luciana Oliveira, da Royal Canin do Brasil.

Aprenda a identificar a Diabetes Mellitus – Cães a gatos com diabetes apresentam um aumento dos níveis de glicose (açúcar) no sangue por períodos prolongados. Alguns sinais, como: o aumento da ingestão de água, aumento da urina e aumento da fome, mas com perda de peso, podem indicar diabetes. Em cães com diabetes sem controle por tempo prolongado pode aparecer a catarata.

Conheça as doenças ou condições fisiológicas que surgem com a Diabetes – A obesidade é sempre um fator predisponente para gatos, onde pelo menos 80% dos felinos com diabetes são obesos, enquanto que para cães apenas 5% dos casos tem relação com a obesidade. Outro fator importante é a idade do animal, já que o diabetes é mais comum em cães e gatos com mais de sete anos de idade (considerados idosos). Cadelas não castradas podem apresentar maior predisposição para desenvolver a doença também.

A presença concomitante de pancreatite (inflamação do pâncreas) é um fator a ser considerado, pois 30% dos cães e gatos com pancreatite têm diabetes. E ainda a predisposição de algumas raças para desenvolver a doença, como: Poodle, Schnauzer, Dashchund e Cocker.

Saiba como é feito o tratamento e controle da Diabetes Mellitus – A maioria dos cães diabéticos não produz mais insulina em seu pâncreas em quantidade suficiente, por isso, o tratamento consiste em fornecer insulina exógena (via injeções) duas vezes ao dia, junto com o alimento por toda a vida. Para o cão diabético, o alimento deve conter moderadas e altas quantidades de fibras, carboidratos de digestão lenta (como a aveia), teores normais de proteína e teores moderados ou rações especiais para controle da diabetes.

Curtiu? Gostou? Recomende para seus amigos.

Sobre o autor

Dr. Marcio Waldman

Dr. Marcio Waldman

Medico veterinário, diretor e fundador do www.petlove.com.br. Formado em 1988 pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e pós graduado em latu sensu em odontologia veterinária, foi secretário geral da Anclivepa SP (associação nacional de clínicos veterinários de pequenos animais) e sócio fundador do Simpavet (sindicato patronal dos médicos veterinários). Atuou como clínico veterinário de pequenos animais de 1988 a 2005 em São Paulo, e em 2005 terminou a atividade na clinica para se dedicar exclusivamente ao Pet Love.

Comentar

  • Boa tarde.
    Estou cuidando de uma gatinha que vive nos jardins de uma marina. Levei-a ao veterinário e ele confirmou a Esporiotricose e receitou Itraconazol 100.
    O focinho e as orelhas estão bem machucados e difícil de cicatrizar. Ontem ela estava com os olhos inflamados.
    Mas ela é muito animada e tem bastante apetite.
    A minha pergunta é será que o medicamento que estou dando à um mês, está correto.
    Oque faço para resolver a inflamação nos olhinhos da gatinha.
    Obs: Ela deve ter uns 14 anos.
    Desde já agradeço.

Deixe um comentário