Festas de fim de ano: preparando seu cão para os fogos do Réveillon

Felicidade, festas e muitos presentes: esses são os pilares que fazem com que as datas de fim de ano – Natal e Réveillon -, sejam tão aguardados por muita gente. Contudo, diferente dos seres humanos, a época não é a das melhores para os pets, já que o período traz algo odiado por todos eles: os fogos de artifício!

A queima de fogos , que é uma marca do fim de ano, é um momento complicado para muitos pets justamente pelo barulho causado na hora das explosões. Isso faz com que fiquem assustados, tremendo ou até correndo pra lá e pra cá de maneira desgovernada, o que pode causar alguns danos como machucados, arranhões ou até mesmo algum tipo de problema interno como o estresse.

Um artigo publicado por Stanley Coren, que é Escritor, Professor Doutor de Psicologia e Pesquisador Neuropsicólogo, mostra que aproximadamente um em cada cinco cães tem medo de barulhos altos, tráfego intenso, tempestades e, é claro, fogos de artifício. Curiosamente, o estudo de 5.257 cães, sendo de 17 raças diferentes, constatou que as fêmeas têm mais medo de barulhos do que os machos. Além disso, a pesquisa descobriu que os cães castrados são mais propensos a ter pavor de barulhos intensos quando comparados aos cães intactos, enquanto os cães mais velhos são mais tendentes a terem medo quanto os mais novos. 

O estudo de Coren conclui que algo deve ser feito para que os cães não sofram com barulhos excessivos nesta época. O adestramento ou o simples controle do cão neste tipo de situação delicada é difícil, tornando a prevenção como a melhor solução para evitar problemas posteriores às festas. Por isso, separamos algumas dicas para fazer com que seu pet sinta menos as complicações que podem ser causados por fogos de artifício. 

 

Abuse dos barulhos internos 

Já ouviu a expressão: “Se não pode com eles, junte-se a eles”? Então, uma das dicas mais funcionais é fazer o máximo de barulho possível com objetos do dia a dia que seu pet está acostumado a ouvir. Por exemplo, quando estiver chegando próximo ao momento da queima de fogos, feche as portas e as janelas, para diminuir o barulho externo e feche também as cortinas e persianas para que não o peludo não veja flashes. Logo em seguida, aumente o volume da TV, ligue a máquina de lavar, sintonize o rádio em uma estação bem tranquila e até ligue o ventilador. Isso fará com que o cãozinho não ouça diretamente o barulho dos fogos, já que os objetos ligados irão “camuflá-los”. 

 

Calmantes 

Outra alternativa é o uso de calmantes naturais. Isso fará com que eles fiquem mais tranquilos e, consequentemente, não darão tanta bola para o que está acontecendo do lado de fora. Entretanto, vale destacar que é necessário consultar um médico veterinários antes de oferecer qualquer tipo de substância para seu cãozinho. 

Distraia o filhote

Primeiramente, se tiver um filhote, aja como se nada estivesse acontecendo, isso fará com que ele ache aquilo normal e logo ficará mais tranquilo. Em seguida, use alguns objetos para deixá-lo entretido e ocupado, como brinquedos interativos e coisas para mastigar. 

“Evite” tranquilizar o pet

Outra dica importante é não tentar tranquilizar o cãozinho se agachando para acariciá-lo no momento de estresse, pois ele pode interpretar esta atitude como se ambos estivessem com medo.

Adaptil

Por fim, o Adaptil é uma réplica sintética do odor materno canino – conferindo sensação de segurança, conforto e bem-estar para os cachorros, sendo um produto específico para a espécie. De acordo com estudos, o uso diminui consideravelmente nove dos 14 sinais típicos de medo. Por isso, o Adaptil se tornou uma das armas mais usadas para proteger os cães contra os fogos de artifício. 

Além de todas essas dicas básicas, confira algumas atitudes essenciais para lidar com cães e fogos de artifício:

  • Não castigue seu pet por qualquer comportamento relacionado ao medo. 
  • Os cães podem aprender a ter pavor de fogos por meio de outros pets ou até pessoas. Por isso, evite reações na hora da queima. 
  • Caso seu cão tiver uma resposta extrema ao medo (urinar, defecar, vomitar ou se machucar), busque a ajuda de um médico veterinário.
  • Por último, por via das dúvidas, não leve seu cãozinho para fora quando houver a queima de fogos, pois muitos acabam fugindo devido ao medo dos estrondos. 

 

Para saber mais, acesse nossa outra matéria sobre algumas dicas de como ajudar seu pet que tem medo de fogos de artifício.

Sobre o autor

Gabriel Arruda

Gabriel Arruda

É estudante de Jornalismo, apaixonado por animais e esportes. Está sempre em busca de novos desafios, justamente pela curiosidade que o toma conta. Pai de um Beagle chamado Johnny, mais conhecido como "o Destruidor".

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.