Primeiros Socorros para cães e gatos

Você sabe alguma coisa sobre Primeiros Socorros para Cães e Gatos?

Esse artigo tem a finalidade de dar uma ideia ao dono do pet o que fazer em casos de emergência, enquanto não consegue localizar seu médico veterinário de confiança.

Saber como agir em momentos de emergência mantendo a calma vai ajudar a diminuir a dor do pet e evitar outros ferimentos.

Os primeiros socorros abaixo descritos estão relacionados com casos mais frequentes e outros mais específicos.

 

  • Diarreias: lembre-se que diarreia é somente um sintoma de uma condição clínica que pode ser grave ou não, portanto não espere “a diarreia passar”, se o seu cão tiver diarreia mantenha-o hidratado e leve ao seu veterinário.

 

  • Vômitos: também é um sintoma que pode ser parte de uma doença grave ou não, por isso não espere o sintoma passar passivamente, leve o pet ao veterinário se achar que algo está errado.

 

  • Alergias: análise qualquer mudança alimentar, mudança de shampoo, perfume ou tente lembrar algo diferente que o seu pet possa ter tido contato ou ingerido e que poderia causar a alergia. Isso vai ser importante para o diagnóstico junto ao seu veterinário. Se ocorrer inchaços na região do focinho ou da narina, dificultando a respiração, leve-o imediatamente ao seu veterinário para um tratamento intensivo antialérgico.

 

  • Queimaduras: lavar com bastante água fria e levar o pet ao veterinário o quanto antes para o tratamento inicial.

 

  • Atropelamento: após o atropelamento, leve o pet ao veterinário o quanto antes e tente deixá-lo imobilizado, improvisando uma maca para removê-lo de forma segura e levá-lo ao veterinário imediatamente.

 

  • Hemorragias: tente conter a hemorragia utilizando pressão no local (apertando forte) para contê-la e leve o pet imediatamente ao veterinário.

 

  • Intoxicação ou envenenamento: importante ter certeza que o pet ingeriu mesmo o agente intoxicante. Em caso positivo e se a ingestão foi recente, converse com seu veterinário para ele lhe passar algo para tentar induzir o vômito e tentar minimizar a absorção do agente intoxicante.

 

  • Paradas cardíacas: deite o pet com a lateral esquerda do corpo voltada para o chão, na região do tórax próximo ao segundo ou terceiro par de mamas torácicas fazer pressão (como fazemos no ser humano). Atenção esse é um procedimento extremo que deve ser realizado com o acompanhamento do veterinário por telefone e no caminho do seu consultório!

 

  • Ataque epiléptico: tente abrir a boca do cachorro e inserir algo para que ele não morda a língua, faça isso se realmente você tiver certeza que controla a situação e não ira ser mordido pelo cachorro. Geralmente as convulsões demoram de 30 segundos a 2 minutos, passado esse período leve o pet para o veterinário.

 

E agora já está mais preparado para prestar primeiros socorros no seu pet em caso de emergência?

Sobre o autor

Dr. Marcio Waldman

Dr. Marcio Waldman

Medico veterinário, diretor e fundador do www.petlove.com.br. Formado em 1988 pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e pós graduado em latu sensu em odontologia veterinária, foi secretário geral da Anclivepa SP (associação nacional de clínicos veterinários de pequenos animais) e sócio fundador do Simpavet (sindicato patronal dos médicos veterinários). Atuou como clínico veterinário de pequenos animais de 1988 a 2005 em São Paulo, e em 2005 terminou a atividade na clinica para se dedicar exclusivamente ao Pet Love.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.