Principais doenças – Boston Terrier

Esse pequeno – que é bem parecido e comumente confundido com a raça Bulldog Frânces – foi criado nos Estados Unidos  no século XIX, a princípio para caçar ratos (um grande problema na época) e diferencia-se por não ter tantas rugas no rosto e ser considerado menor, pesando no máximo 11kg. Saiba mais sobre o Boston Terrier aqui. Neste texto, vamos falar sobre algumas das diversas doenças que esses exemplares podem apresentar. Algumas delas, por sinal, são decorrentes de sua forma anatômica.

Problemas respiratórios

Por serem braquicefálicos (possuem o focinho mais curto que as demais raças), os Bostons Terriers sofrem com a má respiração e inclusive podem vir à óbito por causa do superaquecimento, quando expostos ao excesso nas atividades físicas e calor intenso. 

Devido ao focinho mais curto, o esforço para obter uma oxigenação satisfatória é maior. Mantê-los fora de casa pode agravar esse esforço e desencadear outros problemas ainda mais graves. Por isso, todo o cuidado é pouco.

Problemas odontológicos

Como possui o focinho mais curto, o boston terrier tende a ter o maxilar mais recuado e com isso os seus dentinhos não possuem o espaço adequado e crescem em ângulos diferentes. Esse crescimento inadequado pode desencadear algumas doenças periodontais que, quando não cuidadas, podem evoluir para um quadro mais grave e prejudicar a saúde do pet.

Com isso, as visitas ao médico veterinário devem ser periódicas e alguns tratamentos ortodônticos podem ser implantados, visando melhorar a condição do pet.

Problemas oculares

A forma anatômica do Boston Terrier não é muito favorável para uma saúde íntegra. Além dos problemas odontológicos, problemas no globo ocular podem ocorrer devido ao crânio mais curto, se comparado às demais raças. 

Braquicefálicos são propensos à proptose do globo ocular, ou seja, os olhos são saltados e podem facilmente “pular para fora”. Essa condição pode ocorrer após traumas cranianos ou em acidentes com a guia de passeio, por isso para os passeios indicamos os peitorais, que proporcionam maior segurança ao pet.

 

Sobre o autor

Gabriela Azevedo

Gabriela Azevedo

Formada em design gráfico e cursando medicina veterinária, profissão que herdei paixão graças ao meu pai. Catlover e apaixonada pelos meus 6 gatinhos (Tchantcham, Drake, Josh, Marie, Maysa e Cara Preta -in memoriam- ♥) e pelos pets agregados que fazem parte da minha vida (todos os que encontro. bem doida dos bichos!).

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.