Queima de fogos

Uma pergunta muito frequente dos clientes da Petlove nessa época do ano é sobre como proteger os animais da queima de fogos de artifício e deixá-los seguros. Eu estava formulando um post no blog do Dr. Petlove e recebi um e-mail com o texto abaixo que achei bem completo, por isso, transmito o texto da Premier Pet orientando os proprietários de pets como passar pela época de fogos de artifício com segurança.

shutterstock_164176139

Às vésperas das festas de final de ano, em que os fogos de artifício colorem os céus e ecoam por vários lugares, muitos pets podem entrar em pânico por conta dos fortes barulhos. É possível, inclusive, que cães e gatos se machuquem ou se percam ao saírem desorientados tentando fugir. Diante disso, a veterinária da PremieR Pet , Keila Regina de Godoy, ensina cuidados básicos necessários nessas ocasiões.

“É importante garantir que o animal ficará dentro de casa, em local seguro, onde não possa escapar para a rua. O ideal é fechar portas e janelas para também evitar que fujam, pois em pânico, além de correrem o risco de serem atropelados, podem correr por muitos quilômetros dificultando o reencontro depois”, alerta. Diante de qualquer imprevisto, é importante que o cão ou o gato esteja sempre devidamente identificado com plaquinhas na coleira para que possa ser reconhecido e localizado.

Para aqueles que estiverem próximos de seu animal de estimação, é importante transmitir a sensação de que está tudo bem ficando ao lado dele e acalmando-o com carinho e atenção. Uma medida cautelosa também é colocar algodão nos ouvidos dos pets para diminuir o impacto do som, porém, não se deve esquecer de removê-los.

“Cães, quando colocados todos juntos, no momento do estresse podem brigar e se ferir. Assim, evite deixá-los juntos, principalmente se já houver histórico de intolerâncias um com outro”, informa a veterinária.

No que se refere aos gatos, é importante que tenham um local seguro para entrar e se esconder. Isso evita que procurem lugares de refúgio nos quais possam se machucar. A sugestão é disponibilizar alguma alternativa dentro do local onde ficarão presos: tocas, caixas de papelão, um armário aberto. “Nunca deixe-os soltos pela casa”, ressalta.

Sobre o autor

Dr. Marcio Waldman

Dr. Marcio Waldman

Medico veterinário, diretor e fundador do www.petlove.com.br. Formado em 1988 pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e pós graduado em latu sensu em odontologia veterinária, foi secretário geral da Anclivepa SP (associação nacional de clínicos veterinários de pequenos animais) e sócio fundador do Simpavet (sindicato patronal dos médicos veterinários). Atuou como clínico veterinário de pequenos animais de 1988 a 2005 em São Paulo, e em 2005 terminou a atividade na clinica para se dedicar exclusivamente ao Pet Love.

7 Comentários

Deixe um comentário