Veterinário em casa: gato com vômito e diarreia

Os pais e mães de gatos sabem bem o desespero que dá ao ver o seu filho de quatro patas ficar sem disposição de uma hora pra outra, rejeitando o pote de ração e achar vomito dele por toda casa.

Quando isso acontece, é correr para pegar a caixa de transporte (e nessas horas o bichano sempre arruma forças para correr ou tentar arranhar) e ir em busca de um atendimento de emergência para que o bichano fique bem novamente.

Pipoka-Petlove

Foto arquivo pessoal – Pipoka

Essa situação descrita foi algo bem parecido que aconteceu com a nossa cliente Katia Kiyota, que viu o seu gatinho Pipoka amanhecer debilitado e com quadros de diarreia e vômito. A diferença é que ela não precisou sair de casa para socorrê-lo, bastou enviar algumas mensagens para o Serviço Veterinário em Domicílio Petlove.

A bióloga, que mora no bairro do Jabaquara (SP) com os pais, nos contou como seu desespero começou. “O Pipoka sempre é muito ativo, mas um dia pela manhã eu vi que ele só ficou deitado, não comeu, também não quis beber água e achei estranho. Fique de olho nele e durante o dia ele começou a apresentar vômito e também diarreia, revelou Kiyota.

Como no final daquele dia a situação não havia melhorado, pelo contrário, os vômitos passaram a ficar mais amarelados, ela decidiu pedir ajuda médica. “O veterinário onde eu costumo ir está indisponível por conta da pandemia, e aí eu fiquei meio sem saber pra onde levar. Foi então que eu lembrei do e-mail que tinha recebido da Petlove e entrei em contato para ver como era”, disse a bióloga.

Pouco tempo depois, o doutor Guilherme Miranda, que é Coordenador Técnico de Serviços Veterinários da Petlove, estava chegando para cuidar do Pipoka. “Notei que ele estava desidratado por ter ficado sem beber água e com a temperatura um pouco mais alta, provavelmente por conta de dor abdominal. Após a avaliação, fiz aplicação de soro, medicação para náusea e vômito, além de antiinflamatório e analgésico” relata Miranda. 

No dia seguinte à visita, Pipoka já começou a tomar o antibiótico receitado pelo doutor Guilherme e à noite passou a deixar o coração de Kátia mais aliviado. “Eu já comecei a perceber uma boa melhora, pois ele levantou da cama, comeu e começou a andar pela casa” lembra Kiyota.

O nosso Coordenador de Serviços Veterinários explica o que pode ter causado o mal-estar de Pipoka. “Desconfio que ele tenha comido alguma coisa indevida ou pode até ter sido um fator de estresse. Tenho tratado de muitos casos assim por conta da quarentena, pois o gato acaba ficando mais estressado com a frequência do tutor em casa porque muda a rotina do bichinho, que é bem sensível a isso” explica o médico veterinário.

Quer aprender como manter o seu gato entretido e independente na quarentena? Então leia o nosso post!

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.