Veterinário em casa: Veja como foi o atendimento ao Chico, gato Persa que teve um mal súbito

A Petlove tem muito orgulho em contribuir com a felicidade e bem-estar dos pets e, consequentemente, dos pais e mães dos bichinhos. E ficamos felizes em compartilhar boas histórias que são escritas em decorrência do nosso trabalho.

Com o recém-lançado Serviço Veterinário em Domicílio Petlove, que leva o profissional da saúde até a casa dos bichinhos, nós passaremos a contar também algumas histórias sobre esses atendimentos ❤ .

O quê? Você ainda não sabe sobre o nosso atendimento em domicílio? Então saiba que se você mora na Capital de São Paulo, pode solicitar a visita de um profissional para cuidar do seu pet no conforto de casa, por WhatsApp ou e-mail. Clique aqui e agende uma consulta!

Cliente levou um susto com mal súbito do gato

Aline Takemura é cliente Petlove há três anos e se autodenomina como a “louca dos gatos”. Apaixonada pelos felinos desde criança, hoje ela vive na companhia da mãe, do irmão e de três gatos: Tobias, um Maine Coon de nove anos, Othelo, Persa de seis anos e Chico, da mesma raça e de apenas nove meses.

Aline-Petlove

Chico e Aline

Chico entrou para a família em dezembro do ano passado, vindo de uma doação, e desde que chegou teve alguns problemas de saúde, mas nada que não pudesse ser tratado. “Quando ele chegou estava com fungo nos pelos, sarna de ouvido e foi muito desgastante cuidar dele porque ao mesmo tempo eu tinha que proteger os outros gatos”, conta Takemura.

A advogada e historiadora disse que no começo da semana passada notou que Chico estava com um comportamento diferente. “Três dias antes da ocorrência, eu percebi que ele estava cheirando muito a urina, que estava com um cheiro de azedo. Eu achei estranho, porém, o resto estava normal: brincadeira, alimentação etc.”. Passado mais um dia, ela notou que havia vômito e diarreia na caixinha de areia. Ele pensou que se tratava apenas de algum mal estar ligeiro, já que o caçula continuava comendo, bebendo e brincando, e também não apresentava febre. 

Foi então que na manhã de quinta-feira, ela tomou um susto ao acordar e perceber que o bichinho estava bem debilitado. Chico estava estático, com a temperatura baixa e com os olhos revirando. “Comecei a fazer contato com vários hospitais veterinários e todos me respondiam ‘O hospital está lotado, pois estamos em regime de plantão’. E aí eu lembrei que tinha recebido um e-mail da Petlove falando que ia ter um serviço em domicílio”, diz Takemura.

Pelo WhatsApp, ela entrou em contato com a nossa equipe, que em pouco mais de uma hora já estava na residência localizada na região Sul de São Paulo. Guilherme Miranda, Coordenador Técnico de Serviços Veterinários da Petlove, foi o profissional responsável pelo atendimento de emergência.

“Quando a gente chegou no local, eu e a Dra. Marina, Chico estava bem desidratado, prostrado, bem caído mesmo. Foi dado soro na veia, antibióticos, protetores gástricos, antiemético e o gato foi apresentando melhoras”, disse Miranda que diagnosticou o felino com uma gastroenterite.

O susto da piora repentina foi dando lugar ao alívio de saber que Chico estava se recuperando, como nos contou a advogada. “O atendimento foi super completo, eficiente, imediatamente eles mediram a temperatura e a glicemia. E conseguiram, com a intervenção aqui em casa, fazer o Chico voltar. Eles administraram soro, deram medicações injetáveis e colheram sangue, que ficou pronto no dia seguinte”.

Atendimento-domicilio-Petlove

Tobias, Chico e Othelo curtindo a varanda

Vantagem do atendimento em domicílio

Durante a entrevista, Takemura revelou que ela e a família estão cumprindo rigorosamente a quarentena do novo coronavírus, já que ela tem a imunidade suprimida, sua mãe é idosa e tem problema cardíaco e seu irmão é autista e não lida bem quando precisa de atendimento médico.

Por isso, era grande o medo de sair de casa e correr o risco de ficar doente e, consequentemente, colocar em risco a vida de seus familiares. “A segurança que trouxe, saber que em pouco tempo a Petlove mandaria um profissional pra resolver o problema e não colocando a gente em risco, foi fundamental para ter estabelecido um vínculo, uma relação com a Petlove de bastante acolhimento”. 

Chico em recuperação

O peludinho branco e dourado está se recuperando muito bem e continua sendo medicado em casa. Ele voltou a brincar e inclusive já recuperou os quilinhos que havia perdido com a enfermidade.

Claro que a atenção ao bichinho não terminou ao fim da consulta do último dia 27, Takemura diz que diariamente o Dr. Guilherme pede a ela fotos do Chico e da caixa de areia, para acompanhar a evolução do bichano – que ainda terá uma consulta de retorno e passará por mais exames para avaliação do quadro clínico.

“Como há outros gatos na residência, foi sugerido aumentar a quantidade de caixas de areia, manter a alimentação normal com a ração super premium e fazer o enriquecimento ambiental”, explicou o médico veterinário.

Chico revigorado e Aline aliviada por saber que pode cuidar dos seus pets sem correr os riscos de ter que sair de casa. “Foi um atendimento excepcional, fez um bem tremendo para o animal e também para os humanos”.

Mais uma história que nos enche de orgulho!

Sobre o autor

Anderson Mafra

Anderson Mafra

Jornalista apaixonado por animais, comunicação, música e não perde um concurso cultural (na verdade já perdeu vários). Curioso de mão cheia, quer saber sempre mais e compartilhar conteúdo, dicas e curiosidades do mundo pet. É um petlover assumido, sem chance de reabilitação.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.