Como Preparar Seu Pet Para Um Bebê Que Vai Chegar?

Durante a gravidez da uma dona de um pet, não há problema nenhum que ela conviva com o bichinho. Nesses momentos, o ideal é que a rotina do pet permaneça inalterada, salvo o cuidado com cães de grande porte, que muitas vezes entre uma brincadeira e outra ele possa oferecer o risco derrubar a gestante no chão, causando problemas. Depois do parto, o ideal é que o animal jamais fique esquecido em um canto qualquer, pois ele ficará muito triste e se sentirá rejeitado com toda essa situação.

Em muitas famílias, os cães ou gatos muitas vezes são tratados como os bebês da casa, então quando eles perdem esse mimo todo de uma hora para outra, eles ficam muito mal. No caso dos cães, é bom que enquanto o bebê estiver no hospital, deve-se levar um pano ou uma roupinha que ele tenha usado para o cachorro cheirar e gravar esse novo odor que será presente na casa.

Alguns direitos reservados por Sébastien GARNIER

“Esse contato é bom tanto para o animal que ganhará mais um amigo, quanto para criança que irá interagir e brincar com o pet.”

Obviamente, o novo membro da família precisa ser apresentado a todos e sem dúvida, os pets estão nessa lista. Alguns procedimentos são recomendados, como permitir que o animal se aproxime do bebê e o cheire de longe ao mesmo tempo que recebe carinho, para que assim ele assimile  o bebê a uma coisa boa. Mas como advertência, jamais deixe que o cachorro toque ou lamba o nenê, pois ele é muito novinho e ainda não tem um sistema imunológico bem formado. Em caso de um cão feroz, agressivo ou que não reconhece sua própria força, o procedimento deve ser o mesmo, mas o cachorro deve apenas olhar o bebê usando sua coleira e em uma distância segura.

Os benefícios são muitos, pois esse contato é bom tanto para o animal que ganhará mais um amigo, quanto para criança que irá interagir e brincar com o pet. Além disso, estudos recentes mostram que bebês que convivem com animais no primeiro ano de vida se tornam mais resistentes a alergia quando adultos. No âmbito psicológico, bebês e crianças que convivem com um pet em casa desde cedo, aprendem melhor e ganham um senso de responsabilidade mais rapidamente em relação a crianças que nunca tiveram um animalzinho de estimação.

Uma dica muito importante é que, se caso o bichinho ficar proibido de entrar em um cômodo da casa que antes do nascimento do bebê ele entrava (como o quarto, por exemplo), que essa privação seja ensinada antes ou durante a gestação, pra que ele não associe isso a chegada do bebê e fique triste e com ciúmes. Com cuidado, amor, carinho e atenção, além de uma boa higiene do pet e do ambiente, a interação dos dois será muito benéfica.

Sobre o autor

Bruno Oliveira

Deixe um comentário