Torção gástrica em cães

Torção gástrica em cães - Petlove - O Maior Petshop Online do Brasil

Torção Gástrica em Cães.

Esse tipo de problema é mais frequente em cães de raças grandes com tórax profundo como o Dogue Alemão, São Bernardo, Pastor Alemão, Labrador, Setter e Rottweiller, mas pode acometer também cães de porte pequeno e médio. A causa primária não é totalmente conhecida, mas exercício vigoroso após as refeições, dietas muito fermentáveis, como as com rações com pouca fibra, fornecimento de apenas uma refeição diária, aerofagia provocada por stress, ingestão de água por mangueira, entre outros manejos incorretos, predispõem o animal a essa ocorrência. Aparentemente, cães mais velhos são mais sujeitos à torção.

O proprietário notará um aumento repentino de volume no abdômen do animal, respiração ofegante e desconforto. É possível observar, também, certa dificuldade em vomitar, flatulência, hipersalivação e depressão. Isso ocorre em consequência de um aumento de volume do estômago e posterior movimento brusco do órgão, que se torce segundo seu eixo longitudinal. O conteúdo estomacal fica sem ter como sair e o estômago aumenta ainda mais de tamanho devido à fermentação. Vasos sanguíneos ficam sem atividade e o sangue para de ser levado para certas partes do órgão.  Há congestão do baço e necrose da parede gástrica. A hipóxia dos tecidos conduz ao aumento das endotoxinas bacterianas, levando o cão a entrar em choque, seguido de morte.

Para ter chances de sobreviver, o pet deve ser levado a uma clínica veterinária o mais rápido possível. A administração de medicação, por parte do dono, sem indicação veterinária, poderá agravar ainda mais o problema. O socorro do choque e da arritmia cardíaca do bichinho será provavelmente o primeiro passo a ser seguido pelo profissional. Descomprimir o estômago, iniciar o tratamento com fluidoterapia e a introdução de uma sonda pela boca até o estômago podem ser os passos sequentes, de acordo com os exames feitos e quadro clínico encontrado. A cirurgia de emergência pode ser necessária, embora salvar o animal nem sempre seja possível.

A prevenção é a melhor forma de proteger o cão desse problema. Fornecer um alimento premium para cães e uma boa ração seca é  importante para evitar a torção estomacal do pet. O alimento precisa ser fornecido de duas a três vezes ao dia, nunca uma única vez. Não se deve fazer exercícios físicos com o pet logo após a sua alimentação, pois estará com o estomago cheio e mais predisposto à dilatação e torção. Brinquedos e atividades calmas são sempre recomendáveis.

Sobre o autor

Bruno Oliveira

Deixe um comentário