Cadastre-se e ganhe 15% OFF na primeira compra!

Cinomose: o que é, sintomas, tratamento e cura

Você já ouviu falar em cinomose? É uma doença canina (veja outras doenças de cachorros aqui) viral e altamente contagiosa que pode levar à morte ou deixar graves sequelas nos cachorros que se curam dela. No entanto, conseguimos prevenir a cinomose e, assim, evitar que nossos cachorros sofram e a transmitam para outros animais. Mas antes de falarmos sobre prevenção, sintomas, tratamento e cura, vamos entender direitinho o que é cinomose.

O que é cinomose?

A cinomose canina é uma doença infectocontagiosa que afeta cachorros causada por um vírus da família Paramyxovirus, do gênero Morbilivírus. Ela é altamente contagiosa e costuma acometer cães que ainda não terminaram o esquema vacinal (filhotes) ou que não costumam receber o reforço anual da vacina múltipla (V8, V10 ou V11).

Cinomose em gatos

O nome “cinomose” já nos diz muito sobre a doença, já que o prefixo “cino” sempre é referente aos cachorros. Sendo assim, seu caráter infeccioso se restringe apenas aos cães, ou seja, a cinomose não afeta os gatos.

Sintomas da cinomose

Cinomose

O vírus se replica nas células sanguíneas e sistema nervoso central do animal. Nos estágios iniciais da doença, um sintoma bastante comum é a diarreia, uma vez que o sistema digestório é, geralmente, o primeiro a ser atingido. Em um estágio um pouco mais avançado da doença, o sistema respiratório é acometido, sendo observadas secreções normalmente amareladas e densas saindo pelo nariz e região dos olhos.

Na fase mais tardia da doença, acontece o acometimento do sistema nervoso central, que é quando o animal passa a ter o andar desorientado e tremores musculares que podem evoluir para crises de convulsões.

Secreção ocular remela cinomose

Secreção ocular, um dos sintomas da cinomose.

Sintomas da cinomose

  • Apatia
  • Perda de apetite
  • Diarreia
  • Vômito
  • Febre
  • Secreções oculares (remela em grande quantidade)
  • Secreções nasais (pus)
  • Convulsões
  • Paralisias
  • Tiques nervosos
  • Falta de coordenação

No exame de sangue, é observada a diminuição da imunidade do animal devido à replicação do vírus no sistema linfático. Um cão infectado elimina o vírus pela urina, fezes e secreções (nasal e ocular) até 90 dias após a exposição ao vírus. Portanto é importante evitar seu contato com outros cachorros durante o período em que está doente.

Como a doença é transmitida?

O cachorro pode pegar cinomose, ou seja, ser contaminado pelo vírus, de diversas formas. Entre elas, pelo contato com secreções, urina e fezes infectadas pelos animais doentes. Além disso, casinha, cobertores e alimentos dos animais infectados também são fontes de infecção. Filhotes e idosos são mais susceptíveis às doenças infecto-contagiosas por terem o sistema imunológico um pouco menos ativo.

Vale lembrar que o contato não necessariamente precisa ser direto/ próximo. A infecção pode acontecer, por exemplo, quando passeamos com nosso pet em locais pelos quais passaram animais doentes que eliminaram o vírus na rua, em parques ou outros locais públicos.

Consultórios veterinários também requerem atenção. Se seu pet não possui o quadro de vacinas completo, não permita que ele tenha contato com outros cães, com o chão ou gaiolas que não foram higienizadas.

Qual o tratamento para a cinomose?

  • Não há medicamentos antivirais eficazes para combater a doença. No entanto, o tratamento consiste em tratar os sintomas causados nos diferentes sistemas acometidos:
  • Antibiótico e anti-pirético para as infecções secundárias no sistema digestório e respiratório, além de aliar expectorantes, bronco dilatadores e antieméticos.
  • Soro (fluidoterapia), para corrigir a desidratação causada pela diarreia.
  • Anticonvulsivante para as crises convulsivas devido ao acometimento do sistema nervoso.
  • Suplementos nutricionais e terapias alternativas, como a acupuntura, para melhorar a resposta imunológica do animal para combater o vírus também são utilizadas.

Sequelas

O animal que teve a doença evoluída ao estágio de acometimento do sistema nervoso pode ficar com tremores musculares, andar desordenado e/ou crises convulsivas por toda sua vida, mesmo não portando mais o vírus.

Neste caso, o animal sequelado terá de ter auxílio de sessões de fisioterapia e acupuntura para melhorar o quadro, além de fazer uso de anticonvulsivante em alguns casos.

Como prevenir a cinomose?

Basta realizar a vacinação anual do seu cachorro. A vacina para cinomose está dentro do pacote oferecido pelas vacinas V8 , V10 e V11. No caso de filhotes, devem receber três a quatro doses da vacina a partir de 45 dias de vida, com intervalo de 21 a 30 dias entre as aplicações. Apenas depois da última dose seu sistema imunológico estará apto a combater o vírus caso haja contato com ele, sendo liberados os passeios na coleira.

Compartilhe esta matéria!

Sobre o autor

Juliana Packness

Especialista em patologia clínica veterinária

624 Comentários

    • Olá! Procure rapidamente a ajuda de um médico veterinário que atenda na sua região e evite receitas caseiras que podem agravar o problema. Um abraço!

    • Oi gente meu nome dirci minha bb de 6 anos tem 7 dias q nao anda ta ci aparencia boa urina e come mas pouco to triste ela se arrasta isso me doi i muito nao tenho dinheiro e to muito triste so rezo dou remédio caseiro como quiabo

  • Tenho uma princesa de 9 meses e, há 4 dias foi diagnosticada com cinomose, ela já havia tomado 2 doses da vacina, mas infelizmente adoeceu.. A veterinária dela é muito competente, a entrou rápido com soro e tadas as medicações necessárias, suplementos alimentares, e eu a vejo melhorando, no mesmo dia q começou o tratamento ela já parou de vomitar, de ter diarreia, e está ganhando peso, já q n Para de comer, graças a Deus, dou a ela frango desfiado, peixe assado, patê veterinário, e ela está comendo muito, já está uma bolinha…só observei q as patinhas traseiras estavam um pouquinho travadas, e esse é o único sintoma q ainda vejo hj, com apenas 4 dias de tratamento…Estou com muita fé em Deus q ela vai ficar bem.

    • Olá, Maria! Sempre que isso acontecer, leve seu pet até uma clínica veterinária, onde poderão estabilizar o quadro dela e te orientar da melhor maneira possível. Um abraço!

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.