Esporotricose Felina

A esporotricose é uma doença causada por fungo denominado Sporothrix schencki. Nos gatos, é caracterizada por lesões cutâneas ulceradas e nodulares, localizadas nas extremidades, ou de caráter disseminado. Pode, inclusive, acometer outras espécies de animais, inclusive o ser humano. Esse fungo pode ser detectado em locais diversos, como no solo, em plantas e material em decomposição. É de distribuição mundial, porém ocorre principalmente em áreas tropicais.

Quando o gato é acometido por esse fungo, a infecção apresenta alguns pontos diferenciados em relação a outras espécies. O felino fica com uma numerosa quantidade de células fúngicas na pele, o que potencializa a capacidade de disseminar a infecção para outras espécies, como o homem. Essa transmissão pode acontecer por mordeduras, arranhaduras ou pelo contato com a pele e secreções das lesões. Portanto, deve-se ter muito cuidado com diversos acessórios para os gatos, pois também podem disseminar esses micro-organismos.

Esporotricose felina - PetLove

Esporotricose Felina.

A doença pode se manifestar de três formas distintas: localizada, com os nódulos firmes; cutâneo-linfática, isto é, com a infecção progredindo da pele para o sistema linfático; e a disseminada, atingindo órgãos internos diversos. A sintomatologia é diversa: nódulos aparentes que podem estar ulcerados apresentando secreções, apatia, perda de peso ou febre.

O diagnóstico deve ser realizado pelo médico veterinário após um minucioso exame clínico e com auxílio de exames complementares, como a raspagem para visualização direta em microscópio óptico (citodiagnóstico), a cultura micológica, a intradermoreação e o histopatológico. O tratamento é realizado através da administração de antifúngicos. Essa etapa é longa e complicada, pois o período de administração desse remédio, seja por via injetável ou oral, costuma ser demorado. Os sinais clínicos podem desaparecer no começo do tratamento, porém não se pode interromper esse longo processo de eliminação do fungo. Também podem ser prescritas vitaminas e suplementos, se o médico veterinário achar necessário.

Os cuidados preventivos para com a pele dos animais de estimação não podem se resumir simplesmente a banhos e uso de produtos anti pulgas e carrapatos. É também necessário avaliar a integridade da pele, quanto à presença de feridas e nódulos estranhos. Sempre que houver alguma dúvida, um médico veterinário deverá ser procurado. Além de diagnosticar e prescrever o tratamento, esse profissional irá fornecer todas as informações necessárias para compreender o real estado do animal, e se isso pode ser um risco potencial ao ambiente familiar como foco de disseminação de doenças.

Sobre o autor

Bruno Oliveira

Comentar

Deixe um comentário