Collie – Principais doenças

Com seu pelo longo majestoso e seu focinho comprido, esse cão conquistou o coração de reis e rainhas no Reino Unido. Estamos falando do Collie, uma raça que primordialmente foi usada como cão de pastoreio na Europa. Considerado por muitos como um cachorro ideal para conviver com a família e crianças, o Collie é muito gentil, devotado e inteligente, por isso ele irá fazer de tudo para agradar seus pais humanos. A raça ficou muito conhecida por seu papel no filme “Lassie Come Home” que teve uma contribuição significativa para a disseminação do Collie pelo mundo.

Por ser um cão de pelo longo e que foi condicionado a praticar atividades físicas, alguns cuidados como escová-lo frequentemente e exercita-lo são necessários. Em relação à saúde, algumas doenças genéticas podem surgir ao longo de sua vida, e é delas que iremos falar a seguir.

Anomalia do olho do Collie (CEA)

A CEA, abreviação em inglês para Collie Eye Anomaly, é uma doença genética que afeta o desenvolvimento da Coróide, um tecido localizado abaixo dos olhos. Sua incidência gera uma dificuldade de levar oxigênio para a retina, podendo causar problemas na visão, como cegueira. 

Para se ter uma ideia, um estudo aponta que nos Estados Unidos, 85% dos Collies são afetados pela anomalia. Outros raças como Border Collie, Pastor Australiano e Whippet também podem ser acometidos com a CEA.

A doença não apresenta sinais claros e pode ser observada apenas quando o cão estiver apresentando problemas oculares. Por se tratar de uma doença genética, não há prevenção e nem cura, apenas cirurgia para amenizar as consequências mais graves. Lembrando que cães portadores do gene causador da doença não devem se reproduzir.

Dermatomiosite

A Dermatomiosite é uma dermatite de natureza hereditária e inflamatória da pele e dos músculos dos cães. Os sintomas da doença são lesões ao redor dos olhos, focinho,  orelhas, nos membros, descamação e crostas. As lesões musculares acontecem depois de atingir a pele e levam à dificuldade de deglutição, mastigação e pneumonia por aspiração.

A doença atinge principalmente os Collies e os Pastores de Shetland, porém, pode acontecer também de acometer raças como Chow Chow, Welsh Corgi e Pastor Alemão.

A doença é pouco conhecida e não há um protocolo de tratamento a ser seguido descrito em livros, a castração pode ser feita pois há comprovação que os hormônios interferem na progressão da dermatite, restrição a luz solar também é recomendada. O médico veterinário irá prescrever o melhor tratamento medicamentoso a ser seguido para o alívio das feridas causadas e o prognóstico é positivo. 

Hemofilia 

Conhecida como a doença do sangue, a hemofilia em cães é uma doença de caráter hereditário, ela consiste em um problema na coagulação do sangue. As enzimas e proteínas que deixam o sangue mais espesso são inibidas. Assim, a circulação acaba ficando muito líquida. Essa doença pode ter consequências graves, como sangramentos constantes e hemorragia.

Além do Collie, raças como Doberman e Pastor Alemão também são predispostos a ter a doença.

A Hemofilia irá ser observada quando o cão se cortar ou tiver um ferimento que não para de sangrar, quando se trata de um corte superficial, não há muitos riscos, o problema mesmo se dá quando o corte é muito profundo, podendo ser fatal.

O diagnóstico da doença será feito pela ferida, realizando um exame onde detecta a forma de reação do corpo e se há algo fora do comum. O tratamento consiste em medicação de coagulantes e o prognóstico é positivo. 

Os Collies também podem transportar um gene que é sensível a medicamentos com ivermectina, podendo causar danos neurológicos graves e até morte. Tome cuidado principalmente com vermífugos e antipulgas que contém a ivermectina caso você saiba da existência desse gene e jamais medique seu pet por conta própria. 

Em geral, o Collie é um cão muito saudável e feliz, mas vale ficar atento a essas doenças hereditárias que podem afetar a raça, leve ao médico veterinário sempre que houver suspeita de algo incomum.

Sobre o autor

Beatriz Mario

Beatriz Mario

Graduanda em Medicina Veterinária, sonho que tenho desde de criança, hoje sou conhecida como a louca dos gatos, mas nas horas vagas sou a louca dos bichos também, sem distinção. Tenho 10 lindos gatinhos resgatados e meu propósito é poder ajudar o máximo de pets possível (E seus pais e mães humanos escrevendo aqui no blog).

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.